quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Protestos anti-Wall Street se estendem a Washington

Manifestação "Stop the machine" (Parem as máquinas) reuniu mais de 5.000 pessoas
enviar por e-mail
Protestos anti-Wall Street se estendem a WashingtonManifestação "Stop the machine" (Parem as máquinas) reuniu mais de 5.000 pessoas
* campos são obrigatórios
corrigir
Protestos anti-Wall Street se estendem a WashingtonManifestação "Stop the machine" (Parem as máquinas) reuniu mais de 5.000 pessoas
* campos obrigatórios

Foto: AFP PHOTO Ampliar

"Os pobres já não tem mais paciência", dizem os manifestantes

Os protestos contra o poder empresarial nos Estados Unidos se estenderam também à cidade de Washington nesta quinta-feira, com centenas de pessoas ocupando o Freedom Plaza (Praça da Liberdade) para pedir reformas progressistas.

A manifestação "Stop the machine" (Parem as máquinas) reuniu mais de 5.000 pessoas, assim como o apoio dos sindicatos. "Os pobres já não tem mais paciência", disse uma das pessoas que tomou a palavra, Ben Manski, um ativista do Partido Verde de Wisconsin.


Foto: AFP PHOTO Ampliar

"Poupe impostos dos carentes, avarentos", diz o cartaz da manifestante

Na quarta-feira, milhares de manifestantes anti-Wall Street marcharam em Nova York pela primeira vez apoiados por sindicatos, o que ampliou o protesto contra o corporativismo e a cobiça do mundo das finanças nos Estados Unidos, que já ocorre há mais de duas semanas.

Mais de 5.000 pessoas segundo fontes policiais, e até 12.000 segundo os sindicatos, reuniram-se em Foley Square, no sul de Manhattan e em meio aos edifícios governamentais de Nova York, onde realizaram um ato político antes de iniciar o protesto.

A manifestação, que obrigou a mobilização de um importante dispositivo policial, terminou com uma verdadeira festa em Liberty Plaza, perto da Bolsa de Nova York e onde os "anti-Wall Street" instalaram seu acampamento em 17 de setembro.

"Somos os indignados de Nova York, os indignados dos Estados Unidos, os indignados do mundo", disse um dos oradores, Héctor Figueroa, secretário do sindicato de funcionários do setor de serviços, ao resumir o sentimento dos manifestantes.

Com efeito, o protesto, que se encaminha para completar três semanas no próximo sábado, parece com a revolta dos "indignados" na Espanha e está se ampliando também para outras cidades dos Estados Unidos, como Boston, Chicago e Los Angeles.

AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário