quarta-feira, 2 de março de 2016

Futura Avenida Beira-Rio das Graças se transforma numa via para as pessoas e está prestes a virar realidade



Uma nova via, mais verde e humana, começará a ganhar forma no Recife, às margens do Rio Capibaribe, símbolo da cidade. É a Avenida Beira-Rio das Graças, na Zona Norte da capital, sonhada há mais de 20 anos e prometida há pelo menos dez, que agora irá virar realidade como parte do Parque Capibaribe, projeto a longo prazo que pretende reintegrar o rio à cidade do Recife. A extensão é pequena – menos de um quilômetro (950 metros) –, mas o simbolismo da futura via é grande por dois motivos: primeiro, porque enfim sairá do papel, já tendo recursos garantidos pelo governo federal; segundo, por ter substituído a prioridade ao automóvel pela concepção de compartilhamento do espaço entre as pessoas. O carro ganhou vez, mas terá que dividi-la com as bicicletas e, por isso, andar a uma velocidade máxima de 30 km/h.
Esse projeto que estamos aprovando é completamente diferente dos anteriores. Vai de encontro a toda essa cultura carrocêntrica atual porque, na verdade, o que nós precisamos é de mobilidade em outros modais que não seja o automóvel”,
Cida Pedrosa, secretária de Meio Ambiente e Sustentatibilidade do Recife
Pela proposta atual do município – a terceira formulada até agora –, a Beira-Rio das Graças foi reinventada. Saiu de um modelo que previa quatro faixas de carro passando pelo bairro, entre as Pontes da Capunga e da Torre, para uma única via, compartilhada entre automóveis e bicicletas. E, no restante do trecho, exclusiva para pedestres e ciclistas. “Esse projeto que estamos aprovando é completamente diferente dos anteriores. Vai de encontro a toda essa cultura carrocêntrica atual porque, na verdade, o que nós precisamos é de mobilidade em outros modais que não seja o automóvel. As ideias anteriores priorizavam o carro, inclusive com a proposta de avançar onze metros sobre o rio para permitir a passagem de veículos. Agora é diferente. Queremos um lugar para as pessoas viveram a cidade, o rio, o bairro, um espaço de lazer”, resume a secretária de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Recife, Cida Pedrosa.
Conheça o projeto Parque Capibaribe

Praça será construída na futura Beira-Rio. Imagens ilustrativas
Praça será construída na futura Beira-Rio. Imagens ilustrativas

A secretária garante que a Prefeitura do Recife tem disponível recursos na ordem de R$ 56 milhões, garantidos através do PAC da Pavimentação, apenas à espera de liberação. Isso há mais de três anos, vale ressaltar. Os 950 metros da Beira-Rio das Graças custarão R$ 22 milhões. “Além disso, temos até o dia 30 de junho para estar fazendo o primeiro pagamento à futura construtora. Ou seja, temos que correr contra o tempo. Pretendemos lançar a licitação em breve para conseguir estar com as obras iniciando até o fim de junho”, explica. O restante dos recursos – R$ 34 milhões – vão ser pleiteados pelo município para dar continuidade ao projeto do Parque Capibaribe, no trecho de quatro quilômetros entre o Parque Santana e a Ponte da Torre, que tem custo total estimado em R$ 60 milhões e possui apenas o projeto básico.
Píeres também farão parte do futuro projeto
Píeres também farão parte do futuro projeto

Além dos recursos, uma das etapas mais difíceis para implantar a nova via já foi vencida pela prefeitura: a aprovação por parte dos moradores, que têm uma associação forte e participativa. As pessoas se mobilizaram para travar o projeto enquanto a concepção era o de construir avenidas para carros, potencializando o caráter de bairro de passagem das Graças. “Temos algumas dúvidas, focadas na questão da segurança e da manutenção dos equipamentos, mas de forma geral aprovamos o projeto. Ganhamos, de fato, um parque, uma área de lazer integrada ao rio. Mas o grande mérito desse processo foi a participação popular. Nunca a prefeitura se abriu tanto para o envolvimento da comunidade, ouvindo e acatando o que os moradores queriam. A comunidade participou, discutiu e conseguiu alterar o projeto para algo que queríamos, que era se apropriar das margens do rio, incorporando-a ao bairro e, não, vê-lo ser espremido entre avenidas para os automóveis passarem”, elogia Fernando Holanda, ativista e morador das Graças.

PROJET0_01

CONCURSO INTERNACIONAL
Para dar mais charme ao projeto e permitir novas soluções urbanísticas, a prefeitura vai lançar em breve um concurso internacional para escolha do projeto de duas das 12 passarelas previstas para todo o Parque Capibaribe. A primeira será a que ligará as Graças à Madalena, que terá 135 metros de extensão e ficará na altura da Rua das Pernambucanas. A segunda interligará a Capunga e a Benfica e fará parte de mais uma futura etapa do projeto, entre a Ponte da Capunga e a Ponte do Derby. O município vem negociando com a iniciativa privada para ser executada como ação mitigadora.

Confira o projeto na íntegra



De Olho no Trânsito - JC

Nenhum comentário:

Postar um comentário