quinta-feira, 17 de março de 2016

Governo de Pernambuco estuda criar jardim botânico na Caatinga

Espaço será criado nas proximidades do Parque Estadual da Pimenteira, em Serra Talhada, no Sertão




CPRH/Cortesia

A gestão estadual estuda a implantação de um Jardim Botânico na Caatinga, no município de Serra Talhada, no Sertão pernambucano, a 450 quilômetros do Recife. O espaço será criado nas proximidades do Parque Estadual Mata da Pimenteira, primeira Unidade de Conservação de Pernambuco no Bioma Caatinga, em uma área de aproximadamente 887,24 hectares. A ideia de criar o jardim tem o propósito de oferecer um espaço a mais de visitação e lazer para a população, assemelhando-se à proposta do Jardim Botânico do Recife, no bairro do Curado, às margens da BR-232.

    Uma visita ao parque estadual foi realizada com o objetivo de conhecer as características da unidade de conservação, de proteção integral, e também para identificar áreas próximas do parque com a mesma cobertura vegetal e condições ambientais para a instalação de um jardim botânico.



    CPRH/Cortesia

    Mata tem área superior a 887 hectares. Sua fauna e flora é rica, incluindo espécies em extinção, como o Galo de campina (Paroaria dominicana) e Pintassilgo do nordeste (Carduelis yarrelli)
    “Do ponto de vista social vai ser o local em que as pessoas vão se identificar com o bioma genuinamente nordestino que é a Caatinga”, disse o gerente de Programa do Semiárido, Caatinga e Combate à Desertificação da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Sérgio Mendonça. Ele também destacou que o equipamento deverá também ser um verdadeiro acervo de pesquisas científicas, assim como é no Jardim Botânico do Recife.

    Um dos idealizadores da proposta, o secretário-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Carlos André Cavalcanti, explicou que, a priori, a zona de amortecimento que engloba o Parque Estadual Mata da Pimenteira foi escolhida porque a mata possui Plano de Manejo e uma gestão própria, o que facilitaria a criação do jardim.

    “Sem dúvidas, isso viabilizaria a implantação do jardim botânico. Mas isso não impede que levemos em consideração outras áreas existentes, inclusive, descampadas de Caatinga“, adiantou, apontando Caruaru e Afogados da Ingazeira como uns dos municípios que estão na lista para serem avaliados.

    A proposta está em análise pela Semas em parceria com a gestão do Jardim Botânico do Recife, além de professores, pesquisadores e técnicos da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) e a Prefeitura de Serra Talhada.

    A UNIDADE - Criado em janeiro de 2012 por decreto estadual, a UC da Mata da Pimenteira está inserida em uma propriedade do IPA, denominada Fazenda Saco, distando cerca de 3 km da cidade de Serra Talhada. A maior parte dos seus 887,24 hectares corresponde a topos de serras e fragmentos de Caatinga arbórea.

    Sua fauna e flora são ricas. Estudos realizados por pesquisa dores da UFRPE indicam que há uma diversidade considerável no local, com espécies de umbuzeiro, anjico, umburana de cambão, pereiro, pau-ferro ou jucá, moleque duro, feijão bravo, icó preto, feijão de boi, mandacaru e coroa de frade.
    Entre os animais, macaco prego (Cebus libvidinosus), gato maracajá (Leopardus wiedii) e tatu canastra (Priodontes maximus). Há registros também de aves ameaçadas de extinção, como o Galo de campina (Paroaria dominicana), o Pintassilgo do nordeste (Carduelis yarrelli), Codorna do nordeste (Nothura boraquira) e Golinha (Sporophila albogularis).

    Priscilla Costa, da Folha de Pernambuco

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário