quinta-feira, 24 de março de 2016

Governo não exigirá exclusividade do Náutico com a Arena Pernambuco

Felipe Carreras, Marcos Freitas

Futuro gestor da Arena Pernambuco, o Governo do Estado não exigirá do Náutico um contrato de exclusividade para o mando dos jogos, como acontecia com o antigo acordo entre os alvirrubros e a Odebrecht.

A informação foi confirmada pelo secretário de Turismo, Esporte e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras, que acumulará a função de gestor da Arena a partir de abril.
Carreras, que visitou o presidente do Náutico, Marcos Freitas, na última quarta-feira (22), disse que o Náutico será tratado como um “parceiro especial” da Arena, mas que um futuro acordo certamente não obrigará o clube a jogar “todos os jogos” em São Lourenço da Mata.

Em outras palavras, o Náutico pode, caso queira, mandar algumas partidas em outro estádio. No caso, em seu próprio estádio, os Aflitos.

A intenção do Governo em liberar o Náutico a mandar alguns jogos em seu estádio é reforçada pela declaração em sua conta no Twitter do ex-presidente do clube, André Campos, atualmente assessor da Casa Civil, órgão ligado diretamente ao gabinete do governador Paulo Câmara.

Antes defensor do contrato com a Arena, André dá sinais de que o retorno, mesmo que parcial, deve ser mesmo inevitável.

Índice

Passa pela decisão de não levar todos os jogos do Náutico – e também de Sport e Santa – para a Arena, a ideia de Carreras de fazer valer o caráter “multiuso” do equipamento, programando também eventos de outras modalidades esportivas, assim como shows, apresentações religiosas, etc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário