quinta-feira, 3 de março de 2016

Mesmo com atraso no início das obras, Terminal de Açúcar da Odebrecht mantém previsão de entrega em Suape

Empresa fez ajustes no cronograma e mantém data de entrega da obra, em setembro




Arthur Mota/Arquivo Folha
Capacidade será de 750 mil toneladas de açúcar

Alguns meses após a previsão inicial, a Odebrecht Transport iniciou a construção seu Terminal de Açúcar, no Complexo Industrial Portuário de Suape. Em janeiro, a terraplanagem do terreno alcançou 80% de execução. Inicialmente, as obras eram previstas para agosto do ano passado. Mesmo assim, a empresa garantiu o começo da operação para setembro, a tempo de atender a produção da safra 2016/2017, que acontece entre setembro e março.


“Conseguimos ajustar o cronograma de obras civis para não comprometer o prazo de entrega”, informou o diretor de investimentos de logística da Odebrecht Ambiental, Rodrigo Veloso, sem detalhar os motivos do atraso. Também está confirmado se o custo total vai superar os R$ 130 milhões projetados a princípio. Na fase inicial, serão empregados cerca de R$ 60 mil em investimentos.

Embora o mercado especule sobre dificuldades financeiras da Odebrecht Transport, impactada pela crise econômica e pelas repercussões da Operação Lava Jato, que estaria obrigando a empresa a adiar projetos, o executivo ratificou a aposta novo terminal logístico. “O preço do dólar e a recente valorização do açúcar no mercado internacional favorecem o comércio exterior do produto e a atuação do terminal. E Pernambuco, com as últimas chuvas, as usinas têm expectativas de aumento da produção já na próxima safra”, detalhou.

A empresa também prevê ganhos de lucratividade do empreendimento com a movimentação de outros produtos, como o trigo e cevada, atendendo o polo cervejeiro do Estado e os moinhos, durante o período da entressafra do açúcar. O pleito, contudo, ainda depende da autorização da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

A capacidade do terminal é de 750 mil toneladas de açúcar refinado ensacado, sendo 200 mil no primeiro ano de operação. O contrato de arrendamento do cais 5 do Porto é válido por 25 anos. A Odebrecht Transport (75%) é sócia da Agrovia (25%) no empreendimento. Atualmente, o embarque do açúcar refinado do Estado acontece pelo Porto de Recife, em navios capazes de transportar até 10 mil toneladas. As operações duram aproximadamente 15 dias. No novo terminal, o processo deve ser encurtado para até cinco dias, em navios com capacidade para 35 mil toneladas, reduzindo custos logísticos e otimizando as operações.

Mariama Correia, da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário