sábado, 19 de março de 2016

Motoristas do Uber ameaçam fazer greve no dia 28 em diversas cidades do Brasil


No final do ano passado, o Uber barateou suas tarifas em todas as cidades onde opera – a redução ficou entre 11% e 22%. Os motoristas não gostaram disso e estão ameaçando uma greve para este mês.
Segundo a Folha, diversos motoristas irão desligar o aplicativo por vinte e quatro horas a partir das 5h do dia 28, e planejam fazer uma carreata por pontos centrais de São Paulo a partir das 12h.

O jornal Agora diz que a paralisação deve ocorrer em várias cidades do Brasil, mas a adesão parece ser maior em São Paulo.
Caso a greve ocorra, ela terá um impacto no bolso dos clientes. Com menos motoristas disponíveis, o Uber ativará o preço dinâmico, multiplicando a tarifa-base dependendo da demanda.

Exigências

O movimento está sendo organizado via grupos de WhatsApp, e vai exigir um aumento de 20% na tarifa-base das corridas.
“O Uber vendeu um sonho em que os motoristas tiravam R$ 7 mil por mês. Hoje não dá para tirar R$ 2 mil”, diz Nelson Bazolli, presidente da associação dos motoristas do Uber, à Folha. Desde a redução em novembro, eles precisam trabalhar bem mais para conseguir a mesma renda – se conseguirem.
Alguns motoristas não estão oferecendo mais água nem bala – pois precisam arcar com o custo – e não conseguem manter a manutenção do carro em dia, diz Bazolli. Há quem tenha investido em um carro para se adequar às regras mínimas do Uber, e foi pego de surpresa pelas reduções na tarifa – daí a insatisfação.
Eles também querem que o Uber exerça um controle maior na entrada de novos veículos, porque ganham menos quando há mais pessoas dirigindo, e porque a chance de ativar o preço dinâmico é menor.

No mundo

AP_16659389481

Esta não seria a primeira greve  envolvendo o Uber. No mês passado, mais de cem motoristas em Nova York deixaram de trabalhar em protesto, porque as tarifas foram reduzidas e a comissão aumentou de 20% para 25%. Em outras cidades, o Uber chega a cobrar 30%. (No Brasil, a comissão varia de acordo com o tipo de serviço: o UberX cobra 20%; o UberBlack, 25%.)
Este ano, também ocorreram greves em San Antonio, Tampa e Pittsburgh, com diferentes graus de sucesso. E no ano passado, uma organização chamada Uber Freedom planejou fazer uma paralisação em diversas cidades nos EUA durante o Super Bowl, final do campeonato de futebol americano – porém muitos não participaram.
Às vezes, a greve funciona. O Uber concordou em reduzir sua comissão de 25% para 20% na região de Kochi, na Índia, depois que motoristas deixaram de trabalhar por dois dias. Motoristas na Austrália também ameaçaram fazer greve após uma redução de tarifas em fevereiro.
O relacionamento entre Uber e motoristas nem sempre é amigável, por isso algumas cidades – como Seattle – permitem que eles se organizem em sindicatos. Eles poderão negociar seus salários e condições de trabalhos de forma coletiva, mas sem serem considerados “empregados”; por lei, eles ainda são “autônomos”.
Em nota, o Uber diz que a redução da tarifa aumenta a procura de usuários, e que motoristas fazem mais viagens e podem ganhar mais. “Os parceiros passam a fazer mais viagens por hora e ficam menos tempo rodando entre uma viagem e outra”, diz a empresa.

[Folha e Agora]
Fotos por Jeff Chiu e Seth Wenig/AP

Nenhum comentário:

Postar um comentário