quarta-feira, 16 de março de 2016

Patrulha vai atender vítimas de violência doméstica em Jaboatão

Ação da prefeitura do município é feita com nove guardas municipais.
Projeto de botão do pânico para mulheres está em desenvolvimento.

Patrulha Municipal Maria da Penha é implementada em Jaboatão (Foto: Marcelo Ferreira/Divulgação)Patrulha Municipal Maria da Penha é implementada em Jaboatão (Foto: Marcelo Ferreira/Divulgação)

As vítimas de violência doméstica vão contar com reforço de segurança em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, a partir desta terça-feira (15). A Patrulha Municipal Maria da Penha, começa a funcionar no município fazendo rondas diárias nas residências das mulheres que possuem medidas protetivas com seu ex-parceiros.
De acordo com a secretária Executiva da Mulher de Jaboatão, Ana Selma, o efetivo será composto de nove guardas municipais, que vão desenvolver também um trabalho de assistência às vítimas. "As rondas são feitas com três pessoas, duas de abordagem e a outra na retaguarda. A recomendação é de que, no mínimo, uma guarda mulher esteja presente", afirmou.

Efetivo deve ter, no mínimo, uma guarda municipal (Foto: Marcelo Ferreira/Divulgação)

Efetivo deve ter, no mínimo, uma guarda municipal
(Foto: Marcelo Ferreira/Divulgação)

A patrulha vai atuar em duas frentes: a primeira é na educativa-preventiva, a partir de palestras e orientações para a população. Já a segunda é de intervenção. "Essa abordagem vai ser junto com aquelas mulheres que estão com medida protetiva na justiça. Nesses casos, a partir das recomendações da Vara de Violêndia Doméstica familiar, para os casos que a mulher esta com maior risco de vida, a patrulha vai fazer acompanhamento in loco, indo visitar a casa dessa mulher", ressaltou a secretária.

Segundo ela, a patrulha já recebeu hoje a relação das residências a serem visitadas. No ano passado, 1.500 mulheres no município tiveram medidas protetivas emitidas, mas nem todas serão atendidas. "Não dá para atender todas, então vamos com os casos que a vítima corre risco de vida, que vem se repetindo. Já na hora de emitir a medida, a juíza pode requisitar, conhecendo a incidência naquele caso, que a patrulha realize as visitas", ponderou Ana.


Botão do pânico
Uma outra iniciativa apresentada nesta terça-feira (15) foi o projeto de um botão do pânico para as vítimas que já possuem medida protetiva possam pedir socorro sempre que se sentirem em perigo. Após acionada, a Patrulha Maria da Penha ou a Polícia Militar atende o chamado. As ações foram realizadas pela Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, através da secretaria da Mulher do município, com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

Segundo a secretária, a iniciativa ainda está passando por licitação. "Eu não quero falar sobre prazo porque depende do processo licitatório, que demora entre 30 a 40 dias. No pretendemos ter acesso a essa tecnologia no menor tempo possível para viabilizar esse processo", finalizou.


Do G1 PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário