quarta-feira, 30 de março de 2016

Projeto Transforma Recife reúne 70 mil voluntários e chega a 390 instituições

Saiba como participar


Ana Paula Albuquerque, 34 anos, e Gabriela Alves, 20, são donas de casa e moram em Olinda, mas não se conheciam. Se encontraram pela primeira vez na Fundação Altino Ventura, no Recife, onde levaram seus bebês com microcefalia para serem cuidados. Gabriela frequenta a organização não-governamental Aliança de Mães e Famílias com Doenças Raras (Amar), em Boa Viagem, e indicou o local para Ana Paula. Lá, as duas conheceram mais mães de crianças com a síndrome. Mulheres em busca das mesmas coisas: acolhimento, informações, identificação, sentimento de pertencimento.

“Viramos uma família, ajudamos uma a outra. Quando uma não sabe de algo, a gente ensina”, comentou Gabriela. “Gostamos de conversar e saber como estão todas”, destacou Ana. A ONG que permitiu o encontro entre Ana Paula e Gabriela está entre as 390 organizações cadastradas na plataforma Transforma Recife, da prefeitura, que completa um ano hoje e reúne cerca de 70 mil voluntários. A iniciativa recebeu ontem, em Curitiba, o prêmio InovaCidade 2016, promovido pelo Smart City Business America Congress & Expo. O projeto venceu na categoria Governos.
“Os recifenses estão dando exemplo para outras cidades do Brasil. O engajamento dos voluntários permitiu que o Transforma Recife pudesse ajudar idosos, crianças, pessoas em tratamento. As ONGs existem para ajudar essas pessoas e o projeto está auxiliando os voluntários a se conectarem a elas”, afirmou Geraldo Julio.

O Transforma Recife funciona como uma rede social cruzando os perfis de interesse e unindo quem quer ajudar e quem precisa de ajuda. Através do site www.transformarecife.com.br, o sistema confronta preferências de atuação, localização, horários e causa ideal com as diversas oportunidades de voluntariado e entidades que precisam da mão de obra.

De acordo com a gestora da ONG Amar, Pollyana Dias, a entidade foi uma das primeiras a se cadastrar no projeto e atualmente conta com dez voluntários. Todos chegaram por meio do programa. Pessoas com idades variando entre 18 e 63 anos que ajudam a atender as 350 famílias da capital, Região Metropolitana e interior assistidas pela organização.

Tânia Cavalcanti de Santana, 52 anos, é voluntária da Amar. Começou a trabalhar no local antes do Transforma Recife e afirma que o projeto mudou a cara da entidade. Segundo ela, antes todo o trabalho era feito por duas gestoras e pelas próprias mães assistidas.

Mas a chegada dos voluntários possibilitou a realização de mais ações para acolher mães como Ana Paula e Gabriela. “Agora, temos um calendário de atividades para ocasiões como Dia das Mães e Dia das Doenças Raras. Em fevereiro, por exemplo, fizemos um mutirão no Bairro do Recife na Semana das Doenças Raras. Arrecadamos alimentos, material de higiene, fraldas, leite. Conseguimos carros para levar os materias para a sede. Isso não seria possível antes”, relatou Tânia.

Congresso 

O Smart City Business America Congress & Expo reconhece práticas inovadoras e desafios da transformação urbana sustentável. O prêmio destaca projetos dos três setores da sociedade: governos, empresas e organizações sociais. A premiação foi entregue na noite de ontem em Curitiba (PR), sob a chancela do ONU-Habitat – o Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, além do Lincoln Institute of Land Policy.

Como se cadastrar no Transforma Recife:

Pessoas acima de 18 anos podem fazer parte

Os interessados podem se cadastrar pelo site www.transformarecife.com.br

A plataforma pede para cadastrar um e-mail onde chegarão as instruções

São pedidas informações como: nome, CPF e telefone

Nenhum comentário:

Postar um comentário