segunda-feira, 21 de março de 2016

Setor hoteleiro vive momento de se reinventar

Os novos hábitos de consumo dos brasileiros estão levando hotéis e pousadas repensarem suas estratégias para captar clientes. Enquanto as novas modalidades de hospedagem como hostel - cuja estrutura é semelhante ao de um albergue - e Airbnb - plataforma online que reúne casas e apartamentos para aluguel - chegaram para facilitar e baratear a vida do viajante, para os empresários viraram pedras no sapato. O setor hoteleiro, no entanto, não se intimidou e começou uma caminhada rumo à aglutinação dos serviços, de modo que a clientela não fique no meio do caminho.

    "Percebemos que os hóspedes estão buscando cada vez mais estadias em conta", disse o dono da Pousada do Carmo, João Cavalcanti. O empresário resolveu otimizar um espaço da pousada. "Temos um mezanino e vamos colocar oito camas beliches e criar 16 leitos a mais", detalhou. Essa movimentação deve incrementar o faturamento em 50% e oferecer uma opção de estadia mais barata, já que a diária nestas condições cairá de R$ 160 para R$ 60 por pessoa.



    Arthur Mota/Folha de Pernambuco
    Leão vai usar espaço ocioso da sua pousada

    Apesar de não ser o público-chave da Pousada do Amparo, a gerente Tainah Castelo Branco comentou que a empresa decidiu testar a demanda. "Tínhamos um apartamento desativado e optamos por colocá-lo no airbnb, para nos atualizarmos frente ao mercado". O aluguel do quarto chega a R$ 200 por dia, enquanto a diária em quartos privativos varia entre R$ 315 e R$ 500.


    Proprietário da Pousada Luar de Olinda, Ronaldo Carneiro Leão foi além. Ele pensou em reutilizar um espaço do seu hotel, até então ocioso, para fazer um coworking e aliá-lo a uma proposta de hostel. "Percebi ao longo dos anos que há uma demanda reprimida e acredito ser uma boa alternativa para atrair esse público", argumentou. A proposta é disponibilizar computadores e camas para viajantes sem grandes "exigências".

    Contrário


    Com uma proposta diferente, o dono da Pousada dos Quatro Cantos, Marcos Aurélio Reis, revelou não ter interesse em mudar a proposta da sua pousada, por entender que há outras maneiras para fisgar os clientes. Reis analisa que a atual conjuntura econômica surge como uma oportunidade para atrair determinados públicos, como o estrangeiro. A desvalorização do real é o grande gatilho. "Sabendo disso, passamos a oferecer preços módicos nos quartos do térreo e fornecer upgrades durante a passagem dele por aqui", justificou. O upgrade seria oferecer um apartamento com padrão mais elevado a um custo abaixo do mercado.

    Raquel Freitas, da Folha de Pernambuco

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário