sábado, 2 de abril de 2016

Cais do Imperador ganhará projeto especial de iluminação e teto verde

DSC05606


A Estação Eco-turística Cais do Imperador, que está sendo construída nas ruínas de um antigo píer criado para receber Dom Pedro II, vai ganhar novos elementos de sustentabilidade e de realce da arquitetura. 

Nesta sexta-feira (01), a secretária de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Recife, Cida Pedrosa, fez uma vistoria técnica nas obras e detalhou a implantação do projeto luminotécnico do espaço, além do teto verde sobre o ponto gastronômico. O espaço está localizado na Avenida Martins de Barros, em frente à Praça 17, no bairro de Santo Antônio.

Iniciada em julho, a obra de revitalização já se encontra em 90% concluída. O Cais do Imperador é formado por uma área aberta para contemplação do Rio Capibaribe, um ponto comercial, posto de informação turística e econúcleo. 

Também há uma pequena arena para abrigar exposições e apresentações culturais. Orçada em R$ 850 mil, a intervenção tem o objetivo proporcionar à população um novo espaço de lazer e contemplação do Rio Capibaribe. Além disso, propõe a leitura urbana de uma grande praça que começa no logradouro em frente à igreja do Espírito Santo se prolonga até dentro do rio.

Para realçar a beleza arquitetônica do equipamento histórico e estimular o uso no período da noite, o espaço terá 143 pontos de luz espalhados nos degraus da arena, nas plantas e no guarda corpo, além de três totens de iluminação. Os antigos banheiros públicos, localizados nas extremidades da Estação Eco-Turística, terão ainda refletores próprios para destacar os traços que datam da primeira metade do século. Só o novo projeto de luminotécnico representará um investimento de R$ 125 mil. Ele foi pensado e preparado para receber lâmpadas de LED, que são mais econômicas.

O antigo prédio usado como subestação para ônibus elétricos já foi demolido e, no lugar dele, foi construído um ponto gastronômico, com espaço para mesas na área interna e externa. 

O empreendimento tem grande parte de sua fachada envidraçada para não interferir na paisagem natural e ainda possibilitar que as pessoas contemplem o rio e o conjunto de construções seculares do Bairro do Recife, como a antiga Alfândega (hoje um centro comercial), a Igreja da Madre de Deus e o edifício Chanteclair. Já para diminuir a temperatura interna e estimular a adoção de paredes verdes, o teto terá um jardim de 120m2, formado por dois tipos de gramas: uma curta e outra mais arbustiva.
















“A ideia é que as pessoas se apropriem desse lugar lindo. Ele é o único na área central em que a cidade realmente entra no rio, do ponto de vista físico. Além disso, é um pedaço importante da nossa história que poucas pessoas conhecem. A nova área de lazer e contemplação é mais um passo que ajuda a reatar os laços do recifense com o Capibaribe e com a própria cidade”, disse a secretária de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Cida Pedrosa.


De acordo com Cida Pedrosa, já foi iniciado o processo licitatório para administração do ponto gastronômico. O vencedor do certame ficará responsável pela manutenção e operação não só do ponto, como de todo o espaço público. Quanto aos velhos banheiros, localizados nas extremidades do Cais do Imperador, eles já foram desativados. Um será transformado em centro de informação turística. O outro abrigará o terceiro econúcleo da secretaria – um espaço voltado à educação ambiental para crianças e jovens, e à divulgação de informações ecológicas. Atividades lúdicas serão realizadas na área externa do equipamento.

Espaço histórico – A iniciativa ainda busca reforçar o conjunto arquitetônico histórico que compôs a trajetória de Dom Pedro II e sua família em 1859, durante a única visita de um imperador ao Estado. Naquela época, não havia o Porto do Recife e os navios paravam nas imediações do molhe de arrecifes e os barcos menores, no Cais da Alfândega. O antigo píer foi construído em frente à Praça 17 para que Dom Pedro II pudesse desembarcar com conforto e exclusividade. A família imperial desceu ali, foi à igreja, seguiu pela Rua do Imperador até o palácio.

Por Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Recife

Nenhum comentário:

Postar um comentário