quinta-feira, 21 de abril de 2016

Centro de Convenções abre PPPs em Brasília

 

O espaço localizado no Eixo Monumental testará o modelo de gestão do governo Rollemberg

Com potencial de receita de R$ 800 milhões durante os 30 anos de concessão, o Centro de Convenções Ulysses Guimarães será a primeira parceria público-privada (PPP) do governo Rollemberg a sair do papel. A previsão é de que o contrato de cessão entre a empresa escolhida e o Executivo local seja assinado até julho. Dessa forma, governo tem menos de 60 dias para finalizar o processo e precisa acelerar os trâmites legais. A consulta pública começou hoje e permanece aberta por 30 dias. Em 10 de maio, ocorre a audiência pública. Essas informações ajudará na elaboração do edital.

O Centro de Convenções sempre foi cotado para ser a primeira PPP. É a vitrine do Executivo para as demais iniciativas. A estratégia é tentar tirar o ranço da experiência da gestão anterior, com modelos de PPPs malsucedidos, como, por exemplo, o Centro Administrativo (Centrad), em Taguatinga, construído pela Odebrecht. A consulta e a audiência pública são tentativas do governo de sondar o mercado. “A nossa ideia é garantir a legalidade do processo e que haja interessados”, explica Rossini Dias, subsecretário de Parcerias Público-Privadas.

A proposta apresentada na consulta pública mostrará as potencialidades do Centro de Convenções. A projeção é de R$ 800 milhões em receita em 30 anos. Propõe, ainda, novos negócios, como a edificação de um restaurante com 4 mil assentos e a construção de um estacionamento subterrâneo. “Neste momento, é a visão do Estado sobre o negócio. Abrimos a consulta pública para ouvir o setor privado”, afirma Rossini.

Interessados

Para testar o mercado antes dos trâmites formais, o Executivo divulgou uma manifestação de interesse em janeiro. Na ocasião, o intuito era garantir a certeza de que o mercado se envolveria nas PPPs, mesmo com a crise econômica que o país atravessa. Quatro empresas mostraram disponibilidade em gerir o negócio. Por isso, o Executivo espera que pelo menos essas participem da consulta pública. O nome das companhias foi publicado no Diário Oficial do DF. Na ocasião, entre as interessadas, estava a administradora do Centro de Convenções de Goiânia (GO), uma firma de produção de eventos e outras de engenharia. Contudo, o procedimento é aberto para outros empresários.

Rossini informou que a manifestação de interesse foi a fase preliminar do processo, a primeira interação com o setor produtivo. À época, 52 empresas se habilitaram. Por isso, a consulta pública é o primeiro passo oficial da PPP do Centro de Convenções. O próximo espaço público a seguir com o trâmite será o Parque da Cidade. Os empresários podem participar da consulta pública via e-mail ou protocolar a sugestão na Secretaria de Fazenda.


Fonte: Flávia Maia – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário