segunda-feira, 11 de abril de 2016

Japão começa a testar serviço de entregas com drones

Na manhã desta segunda-feira, drones transportaram mercadorias como garrafas de vinho e caixas de leite entre vários pontos de Chiba, no leste de Tóquio

China usará drones para acabar com as fraudes em vestibular
Aparelho aterrissou sem problema em parques, shoppings e até no telhado de um edifício residencial sem que os bens que transportava fossem danificados(edu.people.com.cn/Reprodução)
O governo do Japão e várias companhias do país começaram a testar nesta segunda-feira um potencial serviço de entrega com drones na cidade de Chiba (leste de Tóquio), o que representa o primeiro teste deste tipo em uma área urbana no país.

Os drones transportaram mercadorias como garrafas de vinho e caixas de leite entre vários pontos de Chiba, uma área onde não se aplica a legislação vigente que restringe o uso das aeronaves deste tipo, informou a agência "Kyodo".

O aparelho aterrissou sem problema em parques, shoppings e até no telhado de um edifício residencial sem que os bens que transportava fossem danificados.

Em uma próxima fase de testes os drones transportarão pacotes desde a baía de Tóquio até Chiba, a cerca de dez quilômetros da capital japonesa, e o objetivo será conseguir uma tecnologia que permita voos estáveis, apesar do vento e da chuva, além do desenvolvimento de uma legislação de tráfego específica para drones.

O gigante japonês do comércio eletrônico Rakuten, a empresa de tecnologia NEC e a rede de supermercados Aeon, entre outras companhias, esperam que o serviço esteja funcionando em 2020, ano no qual Tóquio sediará os Jogos Olímpicos.

O executivo japonês quer também implementar um sistema de entrega de remédios através de drones para regiões isoladas e com poucas instalações médicas em 2018, por isso que terá que aprovar uma nova legislação para regular as rotas e as mercadorias permitidas para o transporte em aviões não tripulados.

O Japão só começou a contar com legislação específica sobre drones em setembro do ano passado, quando foram adotadas medidas depois que um homem pousou um destes aparelhos com material radioativo no telhado da residência do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

(Com agência EFE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário