quarta-feira, 20 de abril de 2016

Porto Social vai despertar voluntariado no Recife




Isly Viana/cortesia
Silva reuniu o apoio de empresários e do poder público para criar a iniciativa

Com a intenção de profissionalizar ideias e projetos ligados ao mercado do terceiro setor, chegará ao Recife o Porto Social. De forma prática, a ideia é oficializar ações de voluntariado e despertar a atenção para um segmento: os negócios sociais. Aqueles em que é possível ganhar dinheiro em paralelo com o desenvolvimento socioambiental.

Para recrutar pessoas que tenham vontade de fazer um projeto de impacto social no Recife, o Porto Social irá realizar inscrições através do site www.portosocial.com.br de hoje até o próximo dia 20 de maio. Ao todo, 50 pessoas serão selecionadas.

“A ideia é ter, num único local, um espaço com a finalidade de incubar ideias e acelerar a maturidade de projetos sociais”, avaliou o idealizador e presidente, Fábio Silva, emendando que o projeto será inspirado no Porto Digital. “Reuni apoio de empresários e do poder público para criar a iniciativa”, complementou. A cada ano, 50 projetos sociais (sendo 30 novos e 20 veteranos) serão mentoriados e capacitados para ampliar suas áreas de atuação e transformação comunitária”, disse.

A seleção acontece até o próximo dia 20 de maio, entretanto, no dia 10 de maio, às 10h, será inaugurado o local onde será instalado o Porto Social. A instituição vai funcionar na Interne Educação, patrocinadora da iniciativa e cuja presidente é Paula Meira. O espaço fica localizado na rua Marques Amorim, 356-B, no bairro da Ilha do Leite, e irá oferecer toda a estrutura necessária para que o projeto seja desenvolvido.


No edifício de dois mil metros quadrados (m²), os representantes das ONGs beneficiadas terão acesso a um “coworking social”, ou seja: espaço compartilhado com computador e internet, auditório e estrutura para cursos e capacitações em nove áreas, como gestão, comunicação e marketing, empreendedorismo e captação de recursos, entre outras.

“Decidimos abraçar essa causa por acreditar que, juntas, pequenas iniciativas podem causar grande impacto na sociedade. Percebemos que é possível protagonizar um importante papel na transformação social e é isso o que temos em nossa filosofia”, afirma Paula Meira, presidente da empresa.

da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário