terça-feira, 19 de abril de 2016

Prefeito entrega requalificação da Biblioteca Popular de Afogados

img_alt

Reforma da unidade foi de R$ 1,5 milhão para melhorias na estrutura, novos equipamentos, climatização e aumento do acervo de livros para 12 mil exemplares (Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR)

A população de Afogados recebeu, na manhã desta segunda-feira (18), a Biblioteca Popular do bairro totalmente requalificada. Já no primeiro dia de funcionamento da unidade, dezenas de alunos de escolas municipais e estaduais já tiveram acesso ao acervo de 12 mil livros, sendo quatro mil novas aquisições, além de computadores modernos. O prefeito Geraldo Julio, acompanhado de vários secretários municipais, participou da solenidade que reabriu o local de 600 metros quadrados e que recebeu investimento de R$ 1,5 milhão.

A unidade faz parte da Rede de Bibliotecas pela Paz, que traz uma nova dinâmica de conhecimento e cidadania para a cidade. A ideia é aproximar os jovens que perderam interesse por esses espaços e estabelecer programações, ou seja, torná-los atrativos nas comunidades nas quais pertencem. O horário de funcionamento será, inicialmente, de segunda a sexta, das 9h às 17h. A previsão é que em breve o horário seja ampliado durante a semana e que o local seja aberto nos finais de semana.

“Fizemos uma requalificação completa da Biblioteca de Afogados. Já tínhamos entregue a de Casa Amarela e agora aqui. São bibliotecas tradicionais da cidade. Com esses bibliotecas, a gente cria oportunidades principalmente para crianças, jovens e adultos. Aqui também teremos espaços para atividades culturais, apresentações, palestras, discussões, para que a gente tenha sempre mais gente dentro dessas bibliotecas”, destacou Geraldo, lembrando ainda da inauguração, recentemente, da maior biblioteca da cidade, no Compaz do Alto Santa Terezinha. “Ainda teremos em breve uma biblioteca inaugurada no Cordeiro, ampliando ainda mais este cobertura para os recifenses”, acrescentou.

A reforma contemplou recuperação estrutural geral do patrimônio, substituição de toda a coberta, incluindo madeiramento e gramado na área externa, além de utilização de telhas termoacústicas, mais apropriadas ao uso do edifício. Além disso, houve climatização, com a instalação de 15 aparelhos de ar-condicionado do tipo split. Também teve recuperação do edifício com mudança de lay out, instalação de novos sanitários (público e de funcionários), instalação de copa e refeitório, substituição do piso do bloco principal e pintura geral.

“A biblioteca estava completamente acabada e abandonada quando nós assumimos no início da gestão. Para se ter uma ideia, nem os banheiros funcionavam, e os usuários e trabalhadores precisavam ir para outro lugar. Reestruturamos e equipamos a unidade com computadores modernos, internet wifi grátis para a população, novos livros e contadores de histórias para atender melhor as pessoas que frequentam o local”, disse o secretário de Segurança Urbana do Recife, Murilo Cavalcanti.

Com a reforma, a biblioteca foi dividida em dois prédios: o principal, com espaço exclusivo para leitura e estudos, e o anexo, onde estão agora o auditório, com 51 lugares, a administração, triagem, banheiros (público e de funcionários) e o depósito. A requalificação foi bastante elogiada pelos moradores da região e frequentadores. 

“Eu tenho uma escolinha de futebol e sempre incentivo as crianças e adolescentes para a leitura. Mas do jeito que a biblioteca estava, não tinha condições de fazer este trabalho. Agora vou fazer com que eles venham aqui pelo menos três vezes por semana para fazer alguma atividade”, contou Marcela Marques, moradora da Mangueira.

Os títulos são bem diversificados com literatura nacional e internacional. Nesta última, destaque para Harry Potter e Senhor dos Anéis, escolhidos pelos estudantes da rede municipal através de pesquisa. Obras de José de Alencar, Jorge Amado e Cecília Meirelles também compõem as prateleiras, que dividem espaço com livros de autores pernambucanos, editados pela Fundação de Cultura do Recife. 

Entre os escritores: Marco Polo Guimarães, Si Cabral e Lenício Gomes. Um dos focos da Rede de Bibliotecas pela Paz é atuar de forma mais próxima às escolas municipais e estaduais do entorno, para que toda a grade pedagógica conte com esse suporte de informação e pesquisa. Contação de histórias, apresentações teatrais, oficinas de arte e desenho, além de visitas guiadas para as escolas vizinhas estão entre as atividades.

PREVENÇÃO - A Secretaria de Segurança Urbana do Recife trabalha desde 2013 focada na prevenção, tendo como carro chefe as bibliotecas. Por isso que estas bibliotecas passaram a ser administradas pela pasta. O plano em estabelecer uma Rede de Bibliotecas pela Paz tem como meta resgatar a presença dos jovens utilizando esses espaços e os serviços oferecidos para melhorar sua cultura e educação. Com a adesão, é certo que os índices de violência reduzam e uma nova perspectiva de vida se estabeleça. Além da Biblioteca Popular de Afogados, fazem parte da Rede de Bibliotecas pela Paz, as Bibliotecas Afrânio Godoy, do Compaz, e a de Casa Amarela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário