segunda-feira, 9 de maio de 2016

Hospital da Mulher do Recife é inaugurado hoje

A unidade, que representa um marco para a rede municipal de saúde do Recife, vai oferecer 3,5 mil consultas médicas e 1,1 mil exames por mês



Unidade de saúde foi aberta ao público hoje, às 8h.Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR
Mais completa unidade de saúde já construída pelo município do Recife, o Hospital da Mulher Doutora Mercês Pontes da Cunha será inaugurado hoje às 15h, em solenidade que terá a participação do prefeito Geraldo Julio e do governador Paulo Câmara. O hospital, situada às margens da BR-101 no Curado,  teve as obras iniciadas em 2013 e custou R$ 118 milhões.

A unidade foi aberta ao público hoje, às 8h. O ambulatório especializado e a realização de exames vão ser os primeiros serviços oferecidos à população. Em 90 dias, todas as atividades da unidade já estarão disponíveis à população. O Hospital da Mulher pretende ampliar em 40% a oferta de partos da rede municipal, inclusive com salas com banheira, oferecendo a possibilidade de parto humanizado dentro da água.

Serão 11,1 mil exames, 3,5 mil consultas médicas e 1,4 mil consultas com outros profissionais nos primeiros 30 dias. Entre os serviços prestados, estão os exames de tomografia e ressonância magnética, que ainda não eram ofertados pela rede municipal, e cinco mil exames mensais de ultrassonografia. Os atendimentos no Hospital da Mulher serão realizados a partir dos encaminhamentos das outras unidades e serviços da rede, com marcação prévia.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Jaílson Correia, o  Hospital da Mulher terá capacidade de ofertar cerca de sete mil consultas médias por mês, após o funcionamento pleno da unidade de saúde. “Montamos equipamentos que dialogam com as principais filas e demandas da espera da recifense”, destacou Correia. O Hospital da Mulher do Recife recebeu um investimento de R$ 118 milhões em equipamentos e estrutura física e terá um custo mensal de R$ 6 milhões.

Até o início de junho, o serviço de parto de complexidade habitual começará a ser oferecido e a unidade de saúde passará a funcionar 24 horas diariamente. Em 60 dias, também terão início as cirurgias ginecológicas (serão 200 por mês) e as atividades do Centro de Atenção à mulher vítima de violência. Esse espaço terá a presença de um médico legista e permitirá às mulheres realizar as coletas necessárias sem precisar ir ao Instituto de Medicina Legal (IML). Após 90 dias, será a vez de iniciar o atendimento nas UTI’s e de outras estruturas de alto risco, possibilitando a realização de 67 mil procedimentos.

O Hospital da Mulher tem 30 mil m2 de área, sendo 13 mil m2 de área construída. São 150 leitos, incluindo alojamento conjunto, Unidade de Terapia Intensiva adulto e neonatal, para gestação de alto risco, canguru e três do Centro de Parto Normal. Também haverá um banco de leite humano, um serviço de assistência à população LBT (lésbicas, bissexuais e mulheres transexuais - transgenitalizadas) - que já começa a funcionar amanhã, com um profissional - e a 10ª base descentralizada do Samu.

O hospital terá urgência com acolhimento e classificação de risco, de acordo com a proximidade do parto e situação do quadro da mulher. A estrutura também comporta uma Casa das Mães, local para hospedagem de mulheres com filhos internados e que receberá atividades de empoderamento e empreendedorismo.
A expectativa é de que 70% dos recursos sejam financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a partir da habilitação dos serviços e da antecipação de recursos de custeio. Por meio de uma portaria, já foi garantido o repasse mensal de R$ 2 milhões, um terço do custo total para manutenção da unidade de saúde, quando em pleno funcionamento. A gestão municipal, contudo, pretende que essa contrapartida do governo federal aumente na medida em que os serviços da unidade sejam gradualmente ofertados pela população.

O nome do hospital é uma homenagem à sanitarista e citopatologista Mercês Pontes da Cunha, médica com histórico notável no combate ao câncer de colo útero. A gestão do hospital está a cargo do Hospital do Câncer de Pernambuco (HCP), que comandará a unidade por no mínimo dois anos.

Saiba mais:

Raio x do Hospital da Mulher Dra Mercês Pontes da Cunha

30 mil metros quadrados, dos quais 13.348,98m2 de área construída
R$ 118 milhões de investimento

Capacidade

67 mil procedimentos por mês
150 leitos
6 salas cirúrgicas
400 partos e 250 cirurgias por mês no Centro de Parto Humanizado
2 UTIs
2 UCI
Consultório Odontológico
Salas de vacina, coleta de exames laboratoriais e de curativos
Farmácia
Banco de Leite Humano

Serviços oferecidos

Medicina fetal
Esterilização cirúrgica
Agência tranfusacional
Assistência à população LBT (lésbicas, bissexuais e mulheres transexuais - transgenitalizadas
Porta hospitalar de urgência
Base descentralizada do SAMU
Casa das mães
Centro de atenção às mulheres  vítimas de violência

Recursos humanos

1108 profissionais:

158 médicos
236 outros profissionais de nível superior
552 profissionais de nível médio/administrativo
62 profissionais de nível elementar

Ambulatório

23 especialidades

Leitos

150, distribuídos em:

De Enfermaria
54 leitos de alojamento conjunto
21 leitos de gestação de alto risco
21 leitos de ginecologia cirúrgica
4 leitos de mastologia

De UCI

12 leitos de canguru
15 litos convencionais

De UTI

10 leitos de neonatal
10 leitos adulto

De Centro de Parto Normal

3 leitos

Serviço de apoio diagnóstico e terapêutico

13 tipos de exames

Obras

1,2 mil trabalhadores envolvidos

Início: 2013

Custo médio mensal

R$ 6 milhões

Cronograma de abertura

Terça-feira (9 de maio)

Ambulatório especializado e exames

Em até 30 dias

Partos de rico habitual
Hospital passará a funcionar 24h

Em 60 dias

Cirurgias ginecológicas
Centro de atenção à mulher vítima de violência

Em 90 dias

UTIs e estrutura de alto risco

Fonte: Prefeitura do Recife. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário