segunda-feira, 16 de maio de 2016

João Pessoa sedia 1º Seminário Estadual Norte e Nordeste de Prostitutas



João Pessoa sedia até quarta-feira (18), o 1º Seminário Estadual Norte e Nordeste de Prostitutas, reunindo 26 lideranças das duas regiões, a exemplo do Amapá, Belém, Amazonas, Maranhão, Bahia, Rio Grande do Norte, além de lideranças entre as prostitutas de Porto Alegre (RS) e Brasília (DF).  

A abertura oficial ocorreu na noite do domingo (16). O evento ocorre no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Estado da Paraíba (Sintep), localizado no Centro da capital.

Em pauta nos quatro dias de evento estão a Descentralização do SUS, Redução de Danos e Saúde Sexual da Mulher, Gênero e Feminismo e Violência e Criminalização.

Nesta segunda-feira (17), a programação do 1º Seminário Estadual Norte e Nordeste de Prostitutas ocorre, a partir das 8h, com um debate sobre a Descentralização do SUS com a representante do Departamento de DSTs/HIV/Aids/HP do Ministério da Saúde, Elisiane Pasini; a coordenadora de DSTs/HIV/Aids/HP de João Pessoa, Clarice Sá; a representante da Coordenação Estadual de DSTs/HIV/Aids/HP, Ivonete Pereira e representação da entidade Cordel Vida. A discussão prossegue até às 12h.

À tarde, a programação é voltada para a discussão Redução de Danos e Saúde Sexual da Mulher com a integrante da Associação das Profissionais do Sexo da Paraíba (Apros-PB), Thaty Pinangé; a representante da Associação das Profissionais do Sexo do Piauí (Apros-PI), Célia Araújo e os psicólogos Marcos Deparís e Vilma Vaz.

A coordenadora geral da Associação das Profissionais do Sexo da Paraíba, Luza Maria, ressaltou que o objetivo do 1º Seminário Estadual Norte e Nordeste de Prostitutas é o de colocar em pauta temas de extrema importância que afetam a vida das profissionais do sexo nas duas regiões, fortalecer a articulação entre as lideranças da Articulação Norte e Norte de Profissionais do Sexo (ANNPS).

Luza Maria destacou que este encontro é um passo importante no fortalecimento das discussões para criar estratégias de formação e mobilização para reivindicação de direitos das profissionais do sexo nessas duas regiões.

“É um momento de troca de experiências, de aprofundamento dos debates e de se pensar em estratégias para garantir questões essenciais como ações não apenas de redução de danos, mas também de saúde sexual para essas profissionais e um enfrentamento a um tema recorrente que é o da violência praticada contra as profissionais do sexo e a criminalização da profissão que ainda é vista com intolerância e discriminação em alguns setores da sociedade”. 

Um outro objetivo do evento é o de incentivar as instituições de prostitutas se filiarem a Central Única das Trabalhadoras e Trabalhadores Sexuais (Cuts), criada no segundo semestre de 2015.

Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário