segunda-feira, 16 de maio de 2016

Ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS)busca atrair mais investimentos para Pernambuco

Novo ministro da Defesa deve se encontrar com o governador Paulo Câmara nos próximos dias

RAQUEL FREITAS

Orecém-empossado ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), pode se encontrar nos próximos dias com o governador Paulo Câmara (PSB). Na pauta, o representante da pasta nacional deve tratar de temas de interesse do Estado e que tenham interseção com o Ministério. Tecnologia da informação, bases industriais de defesa e programas de abastecimento hídrico são alguns dos pontos a serem tocados na conversa, com intuito de potencializá-los. A pasta tem um dos orçamentos mais pesados dos 23 ministérios, com R$ 90 bilhões ao ano.

Em conversa com a Folha de Pernambuco, quando estava há 72 horas à frente do cargo, Jungmann disse que a Defesa tem um papel fundamental para o desenvolvimento nacional. “As pessoas não se dão conta, mas ele é indutor de desenvolvimento. 

Talvez porque seja o maior contratante de tecnologia, que, como nos países desenvolvidos, é responsável por aumentar a produtividade da economia”, explicou, destacando também a base industrial de defesa como outro vetor importante do Ministério. 

De acordo com ele, que é um dos ministros do presidente em exercício Michel Temer, a ideia nesse primeiro momento é identificar que tipo de participação o Porto Digital pode ter nessa conjuntura e como as indústrias de Pernambuco podem aproveitar esse mercado.

Um terceiro aspecto, na visão de Raul, será identificar a possibilidade de ampliar a participação do Exército a partir dos projetos de enfrentamento contra a seca. “3,9 milhões de nordestinos, de 850 municípios, recebem água pelo Programa Carro-Pipa através de 6,6 mil pipeiros ao custo de R$ 1,1 bilhão. 

Fazemos uma parte significativa da Transposição do rio São Francisco, que, daqui a seis meses, terá alcançado a primeira cidade, no sul do Ceará, e depois outras”, detalhou. Jungmann adiantou já ter conversado, por telefone, com o governador sobre essas possibilidades. 

“Assim que tiver oportunidade vou conversar com ele (pessoalmente). O objetivo é buscar parceria”, acena.

Raul Jungmann assumiu o cargo após o Senado ter decidido, por 55 votos a 22, afastar Dilma Rousseff do cargo por 180 dias. Anteriormente, o posto era ocupado por Aldo Rebelo, do PcdoB.

Pernam­buco abocanhou mais três pastas ministeriais. Fernando Coelho, ministro das Minas e Energia; Mendonça Filho, da Educação e Cultura; e Bruno Araújo, no ministério das Cidades.

Folha PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário