segunda-feira, 16 de maio de 2016

Repetidor ou roteador mais potente? Veja o que vale mais a pena

Escolher entre um repetidor ou roteador mais potente quando o sinal da Internet está fraco não é tão simples quanto parece. A origem do problema tem papel determinante nessa decisão, já que os aparelhos atuam de forma diferente.

Obstáculos e longas distâncias são algumas das razões para perda do sinal Wi-Fi, mas que exigem soluções diferentes. Confira o que cada aparelho faz e e veja o que vale mais a pena usar em casa ou no ambiente de trabalho. 

Roteador encaminha pacotes de dados entre redes (Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo)

Roteador encaminha pacotes de dados entre redes (Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo)
O que cada um faz?

A principal função do roteador é encaminhar e organizar os pacotes de dados entre redes. Para fazer isso, o dispositivo reconhece os aparelhos conectados à rede e designa um endereço de IP para cada, estabelecendo em seguida como as informações serão enviadas e recebidas. No caso dos roteadores Wi-Fi, o sinal da Internet é transmitido através da antena.
Já o repetidor pega o sinal já existente emitido pelo roteador e, como o nome já diz, o repete. Ao fazer isso, o aparelho cria uma segunda rede, que terá as mesmas características da anterior, porém com maior alcance em relação ao modem/roteador original.

Antenas do roteador, potência e alcance

A antena do roteador tem papel decisivo na propagação do Wi-Fi. A peça é responsável por aumentar a potência do transmissor, tendo sempre sua própria potência medida em decibel isotrópico (dBi). Quanto mais alto for o valor em dBi, maior será o ganho de potência e, consequentemente, o sinal chegará mais longe. Assim, o sinal de um roteador com antena de 6 dBi alcança maiores distâncias do que um com 3 dBi.

Antenas do roteador aumentam ganho de sinal (Foto: Fabrício Vitorino/TechTudo)Antenas do roteador aumentam ganho de sinal (Foto: Fabrício Vitorino/TechTudo)

Essa propagação descrita acima é feita em linha reta. Em outras palavras, maiores taxas de dBi implicam em maiores distâncias em uma só direção. De fato, o ângulo de irradiação reduz proporcionalmente a medida que o valor expresso em dBi aumenta. Pegando as mesmas antenas de 6 e 3 dBi como exemplo, a primeira faz o sinal chegar quatro vezes mais longe, mas em um campo quatro vezes mais estreito.

A quantidade de antenas não interfere no alcance. Um roteador com três antenas de 5 dBi, por exemplo, continua com ganho de 5 dBi, e não de 15 dBi. Contudo, o tráfego de dados tende a melhorar, pois haverá mais pontos de transmissão e recepção de sinal. De forma semelhante, o número de antenas não faz com que as ondas de rádio tenham mais poder para atravessar obstáculos.

Número de antenas do roteador melhora tráfego, mas não aumenta alcance (Foto: Carol Danelli/TechTudo)Número de antenas do roteador melhora tráfego, mas não aumenta alcance (Foto: Carol Danelli/TechTudo)

Considerando essas informações, fica claro que um roteador com boa potência de transmissão e ganho de antena é recomendável em lugares compridos, com poucas obstruções e paredes não muito grossas.

Quando usar o repetidor
Às vezes uma casa não é tão grande e a potência do roteador já seria suficiente para cobri-la totalmente. No entanto, um cômodo fica sem sinal de Wi-Fi. Isso pode acontecer por causa da interferência de outros eletrônicos, objetos metálicos, paredes grossas e obstáculos físicos em geral.

Repetidor Powerline DHP-W220AV, da D-Link (Foto: Lucas Mendes/TechTudo)Repetidor Powerline DHP-W220AV, da D-Link (Foto: Lucas Mendes/TechTudo)

Neste caso, não adianta comprar um roteador mais avançado, pois o ponto cego irá permanecer. A solução ideal para essa situação é o repetidor, que poderá se instalado exatamente onde o sinal primário começar a falhar.
O dispositivo também pode ser a saída quando existem muitos aparelhos ligados na rede sem fio e o roteador apresenta limite baixo. Vale lembrar, porém, que roteadores básicos atuais permitem 40 conexões simultâneas, quando não mais. Se você tem um modelo recente em casa, vale resetá-lo para limpar os IPs registrados.

Instalação

Facilidade de instalação pode ser um fator decisivo se você observou aspectos positivos nas características dos dois aparelhos. Neste sentido, a notícia boa é que tanto repetidores quanto roteadores atuais prezam muito pela simplicidade. 

Repetidor TP-Link TL-WA850R tem instalação simples (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Repetidor TP-Link TL-WA850R tem instalação simples (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Em ambos os casos, mesmo consumidores iniciantes em redes sem fio não costumam ter problemas na configuração. Mas se você quer o dispositivo mais simples possível, escolha o repetidor. Isso porque o aparelho normalmente conta com recurso de copiar as configurações do roteador principal, dispensando definições adicionais.
Já os roteadores irão demandar um ajuste na configuração via navegador web. Esse processo não é complicado e as fabricantes costumam oferecer um guia de definições automáticas, que na prática leva apenas alguns minutos para ser concluído. Em todo caso, será um tempo a mais do que o dispensado com os repetidores.


Preço
É possível encontrar repetidores e roteadores por menos de R$ 100 com certa facilidade. Os repetidores, porém, costumam ser ligeiramente mais caros quando comparados com roteadores com a mesma taxa de transferência de dados. A diferença média costuma oscilar entre R$ 20 e R$ 60.

Conclusão
Os aparelhos têm funções distintas e resolvem problemas específicos. Se o sinal de Wi-Fi da sua casa fica fraco a qualquer distância do roteador; se você quer melhorar o tráfego de dados; se sua casa é comprida e possui apenas um piso: o melhor é escolher um roteador mais potente.
Caso você more em uma casa de dois andares, tenha cômodos ou pontos específicos que não recebam sinal ou se conecte à Internet a partir de muitos devices, a melhor opção é comprar um repetidor.

por Raquel Freire
Para o TechTudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário