quarta-feira, 15 de junho de 2016

Best Western Plus Vivá, em Porto de Galinhas, recebe novo investimento de R$ 40 milhões

Com o dólar ainda proibitivo, os brasileiros têm aproveitado para explorar o turismo da costa nordestina. E a oportunidade de atrair novos visitantes para o Litoral Sul de Pernambuco tem levado os hoteleiros da região a driblarem o discurso de crise para continuar expandindo seus equipamentos. Um dos hotéis de porte internacional que recebe novo investimento é o Best Western Plus Vivá, em Porto de Galinhas. Os aportes chegam a R$ 40 milhões.


viva4
Crédito: Maurício Escobar / Divulgação

Trata-se da primeira expansão do hotel de padrão norte-americano, que até maio de 2017 vai dobrar sua capacidade atual de apartamentos – de 120, passará a 240. Os irmãos e sócios Artur, Otaviano e Maria Helena Maroja também constroem outro prédio para abrigar nova área de lazer: no espaço, vão montar sala de cinema para 40 lugares, lojinhas de conveniência, beer cave (de olho no interesse do brasileiro por cervejas especiais), sorveteria e café.

Crédito: Maurício Escobar / Divulgação

Essa é a primeira expansão do hotel de padrão norte-americano, que até maio de 2017 vai inaugurar mais 120 apartamentos – o dobro da capacidade atual. Crédito: Maurício Escobar / Divulgação

Como Ipojuca não dispõe de centro de convenções, os empresários também aproveitam para inaugurar, até o fim do ano, nove salas para atender o turismo de eventos, com capacidade total para 1,4 mil pessoas. Artur Maroja, sócio do Vivá e presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco (ABIH-PE), explica que o projeto original do empreendimento, inaugurado em 2012, prevê quatro blocos de 120 apartamentos, numa área de 48 mil metros quadrados. “É um projeto para mais de dez anos”, esclarece.

Crédito: Maurício Escobar / Divulgação
Crédito: Maurício Escobar / Divulgação

“Muita gente nos pergunta por que decidimos investir agora, com tanta instabilidade econômica e política. Mas estamos há 30 anos neste mercado, temos confiança de que o momento é sazonal. Aproveitamos o momento de baixa para estarmos prontos quando a crise passar”, argumenta o empresário, que também é sócio dos irmãos em outro hotel em Porto, o Solar – o mais antigo do Litoral Sul, também da rede Best Western, com 139 apartamentos.

viva2
Crédito: Maurício Escobar / Divulgação

O fluxo de visitantes de outros países da América do Sul tem ajudado os hoteleiros da região a manterem a ocupação acima de 80% até nesta época, apesar da baixa temporada. Artur e Otaviano Maroja calculam que, atualmente, 20% dos seus hóspedes vêm da Argentina, proporção que tende a aumentar com os dois voos diretos, semanais, operados pela Gol e pela TAM. Neste mês, a Gol estreou ainda uma rota sem escalas do Recife para Montevidéu, no Uruguai, emissor em potencial de turistas, que desperta interesse do trade pernambucano.

Crédito: Maurício Escobar / Divulgação
Crédito: Maurício Escobar / Divulgação

Custo da hospedagem – As tarifas do Vivá são flutuantes e variam de acordo com a demanda por reservas. Mas, nesta época, a diária custa entre R$ 400 e R$ 500, até 30% mais em conta do que na alta estação, garante Artur. Além da piscina de padrão de resort, o hotel dispõe de SPA com sauna, piscina aquecida, ofurô e massoterapeutas (o uso das instalações, com exceção da massagem, custa R$ 30). Nas áreas comuns, há sala de jogos, brinquedoteca e academia de ginástica. O hóspede pode optar por meia pensão, incluindo ainda uma das refeições – almoço ou jantar – no valor da diária, além do café da manhã.

Por Bruna Siqueira Campos(Da coluna Diario Econômico)

Nenhum comentário:

Postar um comentário