quarta-feira, 15 de junho de 2016

Gourmet - Café de Pernambuco com gostinho de fazenda

O longo caminho percorrido pelo café gourmet até chegar na sua xícara


O café é empacotado e segue para as cafeterias e empórios de todo o País. O Yaguara também é exportado para o Japão  / Foto: Luiz Pessoa/NE10 O café é empacotado e segue para as cafeterias e empórios de todo o País. O Yaguara também é exportado para o Japão Foto: Luiz Pessoa/NE10

Para uma xícara de espresso, são 60 frutinhas de café. O Brasil, maior produtor e exportador mundial da bebida, e segundo maior consumidor, apresenta, atualmente, um parque cafeeiro estimado em 2,25 milhões de hectares, segundo o Ministério da Agricultura. 

No Agreste de Pernambuco, mais precisamente na Fazenda Várzea da Onça, em Taquaritinga do Norte, está uma pequena parte dessa produção. Sem uso de agrotóxicos ou fertilizantes químicos, a família do agricultor americano Davi Peebles, radicado há 51 anos no País, produz o café ecológico Yaguara.


O rótulo destaca: a colheita é manual e seletiva. São escolhidos apenas os grãos completamente maduros. A torrefação é feita na própria fazenda. A filha de Davi, Tatiana Peebles, revela que, somente cinco anos depois de plantado, o grão começa a dar frutos e, assim, vira aquele cafezinho que tanto apreciamos. 

O Yaguara é 100% arábica - os cafés gourmet são 100% arábica - e, por isso, mais caro do que o encontrado nas prateleiras dos supermercados. Cada pacote com 250 gramas custa, em média, R$ 24. 

Nesta matéria você confere um vídeo produzido por Luiz Pessoa, que mostra todo o processo de fabricação da bebida. O blog parceiro Não sei Cozinhar, da jornalista Milenna Gomes, também participou da visita que fez parte da finalização do projeto Recife Coffee, com detalhes da bela fazenda de 1978. Vídeo e fotos para apreciar... como um bom espresso. 


Inês Calado NE10

Nenhum comentário:

Postar um comentário