quarta-feira, 29 de junho de 2016

Janguiê, da Maurício, paga R$ 1 bilhão a acionista da Estácio, se indicar presidente da nova empresa


janguie-diniz

Em novo comunicado à Comissão de Valores Mobiliários, o Grupo Ser Educacional, liderado pelo empresário Janguiê Diniz, aumentou nesta quarta-feria, proposta de fusão informando que nela sua empresa faria a distribuição de dividendos extraordinários aos atuais acionistas da Estácio no valor de R$ 1,0 bilhão (equivalente a 29,3% do valor de mercado da companhia no dia 1º de junho de 2016), representando aproximadamente R$3,251 por ação da Estácio.

Mas Diniz faz uma exigência. A de o Conselho de Administração da Ser Educacional indicar o CEO (Diretor Presidente) da nova companhia que combinará a duas e este, por sua vez, indicará os demais membros da Diretoria. Como Diniz detém 70% das ações do Ser, na pratica ele indicaria o novo presidente.

No documento que enviou à CVM, o Grupo Ser diz que por trata-se de uma companhia operacional, detentora das mantenças das instituições de ensino superior, e não uma holding pura, a Nova Proposta (junção das duas empresas) será implementada por meio de uma incorporação e consequente absorção da Estácio pela Ser Educacional, que lhe sucederia em todos os direitos e obrigações, na forma prevista pelo artigo 227 da Lei das Sociedades por Ações.

Na sua proposta o Grupo SER afirma que Companhia Combinada teria uma participação dos acionistas atuais da Estácio de 68,7% e dos acionistas atuais da Ser Educacional de 31,3% em seu capital social total, com base na relação de troca proposta.

A distribuição, na pratica, reflete uma posição de que o empresário Paraíba radicado em Pernambuco continuaria a ser o maior acionista individual da nova empresa que juntaria as unidades do Grupo SER e da Estácio. 

No comunicado a Nova Proposta enfatiza ainda que é de extrema importância que o Conselho de Administração da Estácio, ao avaliar as propostas e formular sua recomendação aos seus acionistas, leve em consideração os diferentes riscos regulatórios envolvidos em todas as propostas enviadas à Estácio, os quais poderiam atrasar o seu fechamento, reduzindo os benefícios da Combinação que seriam gerados aos acionistas das Companhias.

A Ser Educacional ressalta ainda acreditar que a transação descrita em sua proposta pode ser executada com celeridade e sem desafios regulatórios relevantes. A Nova Proposta é válida até 8 de julho de 2016 às 18h00 e está condicionada, além da aceitação dos seus termos: à aprovação pelos 

Conselhos de Administração e assembleias gerais de ambas as Companhias; às aprovações governamentais e regulatórias; bem como à negociação de condições de fechamento habituais em operações similares, incluindo a não ocorrência de alterações adversas relevantes nas condições de mercado ou nos negócios da Estácio.

Caso a Nova Proposta seja aceita, a administração da Ser Educacional dará início imediato aos trabalhos para implementação da transação.

JC Negócios

Nenhum comentário:

Postar um comentário