quinta-feira, 2 de junho de 2016

Novo espaço para feirantes é inaugurado em Nova Descoberta no Recife

Espaço é coberto e conta com 125 bancas e 12 boxes, tendo custo de R$ 1,5 milhão

Feirantes saíram de lugar improvisado e sujo para espaço organizado / Guga Matos/JC Imagem
Feirantes saíram de lugar improvisado e sujo para espaço organizado
Guga Matos/JC Imagem

Margarette Andrea

Finalmente, a Feira Nova de Nova Descoberta foi entregue à população. Inaugurado nesta quarta pelo prefeito Geraldo Julio, o espaço recebeu 125 feirantes que se espremiam no estacionamento do Mercado Público local (num cenário de improviso, degração e sujeira) e 12 comerciantes que construíram imóveis sobre o canal.  O início do funcionamento do pátio – que é coberto, tem instalações elétricas e hidráulicas – havia sido anunciado para outubro passado.


Os clientes aprovaram a obra. “Aquilo ali (no mercado) era uma imundície! Parecia coisa pra porco! Agora sim, é um espaço digno. O que está faltando é a prefeitura recolher os gatos e cachorros que andam soltos pela feira”, declara Maria José Dutra, de 59 anos, frequentadora da feira desde menina. 

JC-CID0602_MERCADO-web

Já os comerciantes falam em pontos positivos e negativos. O feirante Rivaldo Teixeira, 28, trabalha, há 12 anos, com os tios e reclama que eles passaram de nove bancas para apenas três. “Não há espaço suficiente para guardar as mercadorias, vamos ter de alugar um lugar e ir mais vezes na Ceasa. Também ficou apertado para passar. Agora, os clientes estão gostando porque tem teto e não precisam mais correr da chuva”.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
  • Foto%3A%20Guga%20Matos%20/JC%20Imagem%20
  • Foto%3A%20Guga%20Matos%20/JC%20Imagem%20
  • Foto%3A%20Guga%20Matos%20/JC%20Imagem%20
  • Foto%3A%20Guga%20Matos%20/JC%20Imagem%20
Próximas





Gilvanice Maria Cesário, 55, mantinha comércio há 25 anos sobre o canal e agora também ocupa um espaço menor em um dos boxes da feira. “Antes eu trabalhava com mais mercadorias, mas em compensação não conseguia dormir quando chovia, porque a água subia pela bacia do banheiro. O espaço aqui é pequeno, mas é o que se tinha pra dividir entre todos, então acho justo. Se fossem dar um espaço maior para mim outra pessoa ia deixar de trabalhar. É só uma questão de adaptação”.

JC Cidades

Nenhum comentário:

Postar um comentário