quinta-feira, 9 de junho de 2016

Os segredos do Uruguai mais próximos dos nordestinos

Com voo direto da Gol para Montevidéu, país conquista com prédios históricos, praias badaladas e vida noturna animada



Montevidéu ­se destaca com seu casario art noveau, museus, palácios e prédios históricos na cidade velha. Foto: Paulo Goethe/DP

Um lugar com belas praias, um rio que forma o Oceano Atlântico, fanáticos por futebol, carnaval animado e prolongado e uma cidade fundada por portugueses que se tornou patrimônio cultural da humanidade. Pernambucanos que desembarcarem no Aeroporto Internacional de Carrasco a caminho de Montevidéu perceberão de imediato que o Uruguai compartilha da mesma - ­e irreverente -­ mania de grandeza cultivada para impressionar os que não tiveram a sorte de nascer no lugar certo. No próprio terminal aéreo mais importante do país ­- menor do que o dos Guararapes, por sinal -­ os uruguaios se dizem prontos para receber o mundo inteiro.

Agora o Nordeste está mais próximo deles, a partir do Recife, com o voo direto que a Gol Linhas Aéreas passou a operar desde o dia 4 de junho. Em apenas cinco horas e meia, os pernambucanos – e de outros estados da região, com conexões – poderão chegar a uma nação pequena, mas com muitos atrativos e extremamente simpática aos visitantes. Sempre com saídas e retornos aos sábados e com uma tarifa promocional ida e volta a R$ 607,52 até novembro (antes era R$ 945,45), o Uruguai é uma excelente opção para quem quer carimbar pela primeira vez o passaporte ou esticar a viagem até Buenos Aires, que fica a menos de duas horas de distância de avião ou de barco.

Colonia del Sacramento é patrimônio cultural da humanidade e conserva bem sua estrutura, que pode ser percorrida a pé. Foto: Paulo Goethe/DP

Além da própria Montevidéu ­ com seu casario art noveau, museus, palácios e prédios históricos na cidade velha, além de uma vida noturna animada nos bairros ao longo da orla – o Uruguai se vende por inteiro. Pode­-se explorar os roteiros por conta própria ou contratar agências de acordo com as preferências, seja para conhecer uma vinícola, visitar as praias badaladas e chiques de Piriápolis e Punta del Este ou deslumbrar­-se com Colonia del Sacramento, fundada em 1680 e mais velha que a própria capital. A CVC, maior operadora brasileira, apresenta mais de dez opções de roteiros pelo país. Um pacote de sete noites, com voo, traslado, hospedagem e passeios, custará R$ 1.950 por pessoa em apartamento duplo com saídas a partir de agosto.

Com temperaturas variando entre 5 e 15 graus Celsius, conhecer o Uruguai nas próximas semanas significa desenterrar a elegância do guarda-­roupa. Depois de agasalhado apropriadamente, é hora de sair do hotel e explorar uma cidade plana, perfeita para longas caminhadas. Montevidéu é o lar de 1,5 milhão de uruguaios, praticamente a metade da população do país. O primeiro roteiro na cidade converge para a cidade velha, na zona portuária, com as sedes dos poderes, teatros e praças bem cuidadas. Para conhecer o comércio local, pode­-se seguir pela Avenida 18 de Julio até chegar à Plaza España, onde estão localizados alguns dos cartões­-postais da capital, como a estátua de Artigas, o palácio Salvo, o Teatro Solis.

É uma área com museus interessantes, como o Museo Torres Garcia, precursor da arte moderna na América e que pintou o famoso quadro da América do Sul de cabeça para baixo. Durante o dia, por sediar a Presidência e a Justiça e muitas casas de câmbio, a área do entorno da Cidade Velha é bem policiada. Como ocorre nas áreas não residenciais de qualquer cidade grande, à noite é preciso tomar mais cuidado, mas longe dos padrões de insegurança brasileiros.

Por falar em câmbio, é recomendável trocar o mínimo de reais por pesos
uruguaios no aeroporto. A cotação de lá é baixa, com o real valendo no máximo sete pesos. No centro e em outros lugares, a relação sobe de um para oito. Mas boa parte do comércio aceita pagamento em real, praticando a mesma cotação das casas bancárias. Por uma iniciativa do governo uruguaio para incentivar o turismo, os restaurantes descontam na hora os 21% do imposto local (IVA) se o pagamento for feito em cartão de crédito. Mesmo pagando o IOF brasileiro, ainda assim vale a pena usar o dinheiro de plástico. Fica a dica.

A cidade velha tem uma vida noturna animada e quem pretende sair para jantar e dançar tem várias opções pela cidade. Os boliches (bares com música) são a opção certa para quem não tem que acordar cedo para fazer roteiros turísticos. Os cerca de 25 estabelecimentos deste tipo localizados no entorno do Parque Rodó costumam fechar as suas portas por volta das 7h. Os moradores querem que a festa se encerre às 2h. Na dúvida, é melhor aproveitar.

De um modo geral, come­-se muito bem no Uruguai, principalmente os amantes de carnes de boi, porco e cordeiro. Os preços praticados se equivalem aos dos restaurantes do mesmo nível em qualquer capital nordestina. O assado típico uruguaio é a parrilla, um mix de carnes, embutidos e miúdos. É melhor olhar na mesa ao lado antes de fazer o pedido. Os que comem pouco ou querem economizar podem pedir a opção Brasero para dois, uma chapa quente levada à mesa. Para sobremesa, o doce de leite impera, em versões variadas, como sorvete.

Para beber, um bom vinho uruguaio. Pelo menos seis vinícolas abrem suas portas para visitantes, que podem experimentar até quatro variedades, com acompanhamentos. Tannat é a uva símbolo do país, então uma garrafa com esta indicação no rótulo é um bom presente. Os uruguaios também gostam muito de cerveja. As marcas mais populares são Patricia, Norteña e Pilsen, na versão garrafa de um litro. Zillertal segue a linha mais premium. Em Montevidéu, a cervejaria artesanal Mastra recebe para degustação de oito tipos da bebida.

No entorno da capital


Punta del Este tem um dos metros quadrados mais caros de toda a América, onde os milionários mantêm casas de veraneio para uso de poucos dias. Foto: Paulo Goethe/DP

Por conta do clima, o mar – em Montevidéu é, na verdade, o Rio de la Plata – é enfrentado somente nesta época do ano pelos surfistas. Mas tanto a leste quanto a oeste da capital, os principais passeios sugeridos são ao longo da costa. Distantes 100 km e 130 km, respectivamente, Piriápolis e Punta del Este são em junho quase cidades fantasmas de luxo, mas mantêm seus atrativos. Principalmente Punta del Este, um dos metros quadrados mais caros de toda a América, onde os milionários mantêm casas de veraneio para uso de poucos dias. O nome do bairro onde eles ficam? Beverly Hills, versão uruguaia.

Casapueblo é um labirinto de salas e escadarias que foram construídas ao longo de seis décadas. Foto: Paulo Goethe/DP

Mais popular e acessível, a Casapueblo, em Punta Ballena, é um sonho do artista plástico e arquiteto Carlos Páez Villaró que ganhou forma em cimento e cal. É um labirinto de salas e escadarias que foram construídas ao longo de seis décadas. Para encerrar, a clássica foto na Praia Brava, ao lado de Los Dedos, a escultura que ganhou um concurso internacional.

A 180 km a oeste de Montevidéu, Colonia del Sacramento é um dos destinos mais populares do Uruguai. Fundada pelos portugueses em 1680, sua melhor definição para os pernambucanos é uma Olinda sem ladeiras. Também patrimônio cultural da humanidade, conserva bem sua estrutura, ideal para ser percorrida a pé ou em carrinhos elétricos – para os mais apressados. Por ficar a pouco mais de uma hora de barco de Buenos Aires, Colonia tem um terminal marítimo que pode representar uma viagem rápida à capital argentina. Se a temporada no Uruguai for mais prolongada, pode­-se incluir, desta forma, um ou dois dias no país vizinho.

O vice-­ministro uruguaio de Turismo, Benjamin Liberoff, disse que virá a Pernambuco em breve para estreitar relações com este novo emissor de visitantes para seu país. Ele acredita que os uruguaios deverão se interessar também pelo Nordeste brasileiro, “mais próximo e mais barato do que Miami”. Além do desconto de imposto nos restaurantes, ele enumerou outros benefícios para quem viaja ao Uruguai: 10% a menos em aluguéis de imóveis no verão, 10% na locação de autos e 14% de retorno do IVA no aeroporto. Além disso, o país investe para atrair eventos como encontros médicos e profissionais – um novo centro de convenções será inaugurado em julho em Punta del Este – e na estrutura friendly, de olho no público GLBT.

O diretor de relações institucionais da Gol, Alberto Fajerman, acredita no sucesso rápido do voo Recife­-Montevidéu. “O Uruguai vai ocupar um lugar no turismo Brasil­-Argentina. O clima de inverno, a segurança e a gastronomia são atrativos para os nordestinos”, afirma. Com capacidade para 177 passageiros, o Boeing 737-­800 que fará a rota aos sábados precisa chegar a 73% de ocupação para ser rentável. Com a ampliação da malha aérea a partir da capital pernambucana, a confiança é grande.

Paulo Goethe - Diario de Pernambuco
* Viajou a convite da Gol Linhas Aéreas e da CVC

Nenhum comentário:

Postar um comentário