segunda-feira, 13 de junho de 2016

Picape Toro fabricada em Pernambuco revoluciona e cria novo segmento

Caçamba de 820 litros é o grande diferencial: tem a abertura bipartida, o que facilita a carga e descarga




Divulgação
Caçamba de 820 litros é o grande diferencial: tem a abertura bipartida, o que facilita, e muito, a carga e descarga

Quando falamos do novo filho da fábrica da Jeep, em Goiana, na Zona da Mata Norte do Estado, a tríade que você acaba de ler aí em cima, no título desta matéria, é a sua melhor definição. É um carro que vale a pena ter na garagem e chamar de seu. Afinal, assim como a própria Fiat vendeu: a picape Toro chegou para mostrar infinitas possibilidades sobre rodas. Isso porque, seja para uso urbano ou para cair na estrada, o veículo se encaixa perfeitamente. E muito está creditado à sua ótima dirigibilidade e desempenho. E o melhor de tudo? Ele leva na sua essência o sobrenome genuinamente pernambucano.


    Nos cerca de 85 quilômetros da BR-232 que separam Recife de Gravatá, a Toro fez diferença. Desde a estabilidade na estrada ao conforto interno dos passageiros, o Sport Utility Pick-up (SUP) da Fiat reforça a identidade que a montadora criou para o veículo, quando esse saiu pela primeira vez da fábrica de Goiana para ganhar o mercado: chegou para revolucionar e criar um novo segmento. Não à toa, quatro meses depois do seu lançamento, já é a segunda picape mais vendida no País.



    Divulgação

    A versão testada nesse percurso foi a Freedom 2.0 Diesel 4x4, que está sendo vendida pelo preço médio de R$ 103.650. O veículo respondeu bem às ultrapassagens, mostrando identidade nos quesitos desempenho e dirigibilidade, mesmo com o peso da carroceria. Aqui muito se atribui à potência do motor de 170 cavalos. Quando a rotação do motor chega aos 1.700 rpm, a picape mostra força de sobra. Em relação ao consumo, na estrada, o computador de bordo da Fiat Toro apontou para uma média de 8,7 km/l, mesmo com o peso da caçamba (lembre-se que o teste foi durante uma viagem em família, e com criança) e a lotação completa de cinco pessoas.


    Por falar nisso, mesmo todos os assentos ocupados, o passeio continua sendo confortável, pois o espaço interno não deixa a desejar. O banco traseiro acomoda confortavelmente três pessoas (mes­mo se fazendo uso de cadeirinha de segurança para criança) e, na frente, motorista e passageiro dispõem de bom espaço entre o assento e o painel de instrumentos. Sem contar na visão de fora para dentro. A altura do Toro é na medida certa: nem muito baixa como o próprio Fiat Strada, nem muito alta como a Chevrolet S10, por exemplo.

    O modelo testado traz todos os equipamentos da versão inicial (Freedom 1.8 Flex) e também vários outros itens exclusivos, entre eles: retrovisores externos elétricos com memória e iluminação de caçamba, de 820 litros. Ponto positivo para a tampa bipartida. A abertura lateral facilita a carga e descarga, principalmente por ter a opção de abertura de somente uma delas.

    Juliana Sampaio, da Folha de Pernambuco

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário