quarta-feira, 8 de junho de 2016

Serviço de limpeza de canais e galerias no Paulista sofre com mau hábito de moradores

Sofás, cadeiras, geladeiras, sacolas de lixo e garrafas pet. Esses materiais são os mais encontrados pelas equipes da Secretaria de Serviços Públicos durante as limpezas de canais, canaletas e galerias no Paulista. Desde o começo deste ano, a gestão municipal intensificou os mutirões de desobstrução dessas estruturas que servem para escoar, principalmente, as águas das chuvas na cidade.

Com um cronograma que beneficia os canais de acordo com seu tamanho e importância para drenagem das águas pluviais – do maior para o menor, o serviço já desobstruiu nove canais e está, esta semana, centralizado em mais dois: Canal do Angelim (Janga) e Canal da Rua Manoel Gonçalves (Vila Torres Galvão). Apesar dos esforços, o diretor de Obras Públicas do Paulista, Wilson Batista, garante que mesmo após o trabalho de limpeza, os locais voltam a ser usados como depósito de lixo.

“Soubemos que nos canais limpos recentemente, já teve quem jogasse lixo, restos de móveis e muito mais. Ou a gente volta para retirar o entulho ou vai para o próximo canal. É um serviço que não para. Além de tirar areia, lama e as baronesas, tem muito lixo que a população deposita”, contou ele que, todos os dias, está nas ruas do Paulista coordenando equipes de desobstrução de canais, canaletas e galerias.

Morando há seis anos às margens do Canal da Avenida F, em Maranguape II, a dona de casa Josineide de Oliveira, 55 anos, viveu esta semana, durante as fortes chuvas da segunda-feira (30.05), os efeitos do transbordamento de um canal obstruído. Além do lixo que é depositado diariamente por outros moradores, a área ainda foi vítima de um crime ambiental, no qual a cabeceira foi aterrada irregularmente.

“Eu moro nessa área de Maranguape II há 40 anos e nessa casa há uns seis. Nunca vi isso acontecer por aqui. A água entrou na minha casa, destruiu cama, guarda-roupas e outros móveis. Eu sei que é por causa desse aterro irregular, mas também porque tem muita gente que joga lixo nesse canal. E o olhe que o carro da coleta passa na esquina. A gente não reclama para não ter confusão, mas sabe que aquilo vai prejudicar todo mundo”, ressaltou ela que agora terá que reconquistar o que perdeu no alagamento.

De acordo com a Secretaria de Serviços Públicos do Paulista, dos 28 canais da cidade, foram limpos nove: Araxá e Uruguai, em Pau Amarelo; Canal do Boi, Barão de Cotegipe e Carrapicho, em Paratibe; Canal São Jorge, em Arthur Lundgren I; Grã Bretanha, no Engenho Maranguape; Canal da Jaguarana, na Jaguarana, e o Canal da Celpe, na PE-22. Também já foram desobstruídas galerias em diversos pontos da cidade, como as localizadas no Conjunto Beira Mar e na PE-15.

Nenhum comentário:

Postar um comentário