quarta-feira, 1 de junho de 2016

Zé Pequeno, a única praia liberada para o surfe na Região Metropolitana do Recife

Praia localizada em Olinda recebeu autorização em 2012 e vem sendo palco de competições e escolinhas da modalidade. Conheça a história desse 'pico' único na Regiao Metropolitana do Recife

Líbia Florentino/LeiaJáImagens Praia Zé Pequeno é autorizada para a prática do surfe desde 2012 Líbia Florentino/LeiaJáImagens

De toda a extensão do litoral da Região Metropolitana do Recife, apenas 600 metros são oficialmente liberados para a prática do surfe. A pequena faixa é a praia de Zé Pequeno, na orla de Olinda, em Bairro Novo. O trecho recebeu o aval para a prática da modalidade esportiva no dia 17 de fevereiro de 2012, quando foi publicado o Decreto Nº 37.897.

E para que essa permissão chegasse, uma peça-chave foi o motorista e surfista Mauro Melo, de 48 anos, que tomou a iniciativa de procurar as autoridades para pleitear a garantia de um lugar onde se pudesse praticar o surfe. Como em qualquer local, os atletas estão sujeitos a ataques de tubarões, é verdade, mas, lá, ainda não há casos computados. Com base nesse dado e com a vivência de dropar ondas desde seus 8 anos, o ‘cérebro’ dessa missão contou a história com detalhes ao Portal LeiaJá, revelando os bastidores e opinando sobre esse enredo.

Embora a liberação tenha surgido há apenas quatro anos, Mauro estima que o surfe começou a ser praticado no Zé Pequeno há cerca de 35 anos, tendo como marco a temporada 2002, quando foi criada a Associação de Surfe de Olinda (ASO), da qual ele é um dos líderes. Trata-se de uma entidade que faz o intermédio entre os surfistas e as autoridades estatais. Ela que deu espaço para que fosse pleiteada a liberação.

Logo após a emissão do Decreto, a população não viu com bons olhos a decisão, avaliando como um risco exacerbado. Mas, hoje, essa questão não é mais motivo de divergências e as praias acobertadas pela lei, nos dias de ondas promissoras, chegam a reunir, simultaneamente, mais de 200 surfistas na água. 

Experiente, Maurão, como é conhecido, continua competindo e, nos turnos livres, aproveita o tempo para monitorar Zé Pequeno. Com um binóculo em mãos, ele fica de olho na movimentação no mar, tendo duas finalidades centrais. Primeiramente, avisar aos surfistas caso aviste algo que possa ser um tubarão. Em segundo lugar, o mais polêmico motivo: fiscalizar os pescadores, o que já gerou atrito entre as partes em diversas ocasiões. Ele justificou que é preciso ‘tomar conta’ disso, por considerar que o principal motivo gerador de desequilíbrio ecológico na área seja a pesca com redes de arrasto de camarões.

“Falam que os ataques de tubarão aumentaram na nossa costa por conta da construção do Porto de Suape, que teria sido uma agressão ao habitat deles. Mas, para mim, a pesca de camarões com arrasto é o pior problema, pois compromete a vida de diversas espécies marinhas e, por consequência, desequilibra a cadeia alimentar. Na captura dos camarões, os animais que vêm no ‘bolo’, como os pequenos peixes, são deixados de lado, pois o que interessa é o produto de venda”, explana.

De fato, é determinação legal do IBAMA que esse tipo de pescaria só pode ser feito cinco milhas marítimas (cerca de 7,5 km) mar adentro. Para evitar o descumprimento dessa determinação, Maurão reforçou a barreira de pedras feita também como forma de bloquear os tubarões. E os pescadores não responderam de forma amigável. “Eles já ameaçaram bater em mim, me matar... Acontece. Mas eu não quero medir forças com ninguém. Apenas tenho o objetivo de proteger meus companheiros e a modalidade que amamos”, afirma o líder da ASO. 

Focando a conversa na prevenção aos ataques de tubarão, Mauro revela, também, que a próxima medida que a associação pretende colocar em prática é a construção de uma espécie de cortina de ímã na área. “Abaixo do ‘fucinho’, os tubarões têm poros que funcionam como um tipo de sensor magnético e, no contato com esse novo obstáculo, eles ficariam atordoados, evitando circular pela região de prática de surfe”, explica. Ele ainda relata o que já é feito para manter a ordem no local: 

“Quando fomos atrás da liberação, assumimos o compromisso de preservar o ambiente nas praias autorizadas. Portanto, fazemos o possível nesse sentido. Tanto que temos sempre tartarugas desovando e cardumes circulando. Mas, claro, é preciso manter a atenção, para que todos saiamos felizes”.

Zé Pequeno é palco de campeonatos

Além do surfe amador, a praia liberadas conta, também, com um calendário anual de competições da modalidade. Em 2016, por exemplo, quatro encontros reunirão atletas em disputa durante a temporada. Começando pela segunda etapa do Circuito Zé Pequeno de Surfe, que teve sua primeira fase no final de 2015 e segue em andamento, em junho, exclusivamente entre olindenses do esporte.

O calendário não para por aí. O Circuito Pernambucano e o Circuito Olindense também terão vez no decorrer desta temporada. Isso sem falar na última etapa do Circuito Zé Pequeno, marcada para o mês de agosto, nos mesmos moldes das fases anteriores.

O cenário competitivo, por sinal, divide espaço com o que lhe proporciona novos talentos e vida longa. Isso porque a área contemplada pelo Decreto Nº 37.897 também serve como palco para escolinhas de surfe. O destaque fica por conta da Escolinha Zé Pequeno, que já conta com atletas em treinamento. A expectativa é em breve receber uma doação de pranchas de uma empresa que resolveu apoiar a causa, ampliando a capacidade das turmas e de revelação de novos surfistas. 

O lado social da Associação de Surfe de Olinda

Na liderança da Associação de Surfe de Olinda, Mauro de Melo deixou Olinda há 25 anos, por conta da recorrência de ataques de tubarões no litoral pernambucano, e seguiu para Santa Catarina, um dos principais polos da modalidade no país, assim como o Rio de Janeiro. Dois anos depois, retornou à sua cidade de origem e, segundo ele, encontrou a maioria de seus amigos e conhecidos do mar envolvidos com drogas e criminalidade. 

Ele afirmou que, diante da situação, resolveu dedicar parte de sua vida ao desenvolvimento de Zé Pequeno, no intuito de retirar os colegas desse caminho. “Quando voltei, meus amigos estavam envolvidos com ‘galeras’. Era violência, drogas, crime... Por isso resolvi fazer o possível para trazê-los de volta e fazer com que outros não entrassem na mesma rota de autodestruição”, relata.
Aproveitando o cunho agregador destacado em seu discurso, Maurão garante que, na praia autorizada, não há segregação com os ‘novos na área’. 

“É comum existir essa exclusão em vários locais. Mas procuramos propagar a ideia de que a praia não tem dono. Claro que os que têm mais experiência terminam tendo certa prioridade durante as ondas, mas não costumamos presenciar atritos deles com os novatos, que não sabem tanto da modalidade”, disse.

Cemit esclarece liberação do Zé Pequeno

Procurado pelo Portal LeiaJá, o Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit) se posicionou oficialmente sobre a autorização legal do surfe. Segundo o órgão, os argumentos utilizados pelos que buscaram a liberação foram os seguintes: inexistência de incidentes com tubarão no local e a necessidade da criação de áreas alternativas para a prática da modalidade, direcionando os praticantes a tais trechos e facilitando a tomada de medidas mais severas contra aqueles que atuam em pontos proibidos.

Já sobre o panorama geral da orla olindense, a protagonista no que diz respeito aos ataques é a Praia de Del Chifre, na Ilha do Maruim. De acordo com as informações repassadas pela assessoria de imprensa do órgão, há o registro de quatro ataques no local, todos contra homens. Dentre esses incidentes, um resultou em morte e os demais deixaram as vítimas com sequelas.


por Fernando Sposito

Nenhum comentário:

Postar um comentário