quarta-feira, 20 de julho de 2016

Governo coloca em prática ação para barrar fraudes no Bolsa Família

Foto: Alina Souza/Agência Brasil

O sistema de cruzamento de dados para evitar fraudes no Bolsa Família já está em processo inicial de execução. Quem afirma é o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), Osmar Terra, em entrevista nesta terça-feira (19).

Ele explica que o principal objetivo da ação é realizar um pente fino no programa para beneficiar a parcela da população que realmente precisa do auxílio.

“O Bolsa Família é uma iniciativa importantíssima, que está focada em quem está à beira da pobreza extrema. Nós temos que evitar que pessoas, que não estão de fato nessa situação, se aproveitem ao também tentar receber o benefício. Conseguimos reunir um grupo de trabalho e montar a maior base de dados da história”, destacou o ministro.

Criada há mais de um mês, a equipe é formada por membros da Receita Federal; Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle; Ministério do Planejamento; Ministério da Fazenda, e coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA); além ter o apoio do Ministério Público Federal e do Tribunal de Contas da União (TCU).

Segundo o ministro Osmar Terra, as atividades do grupo estão em fase de avaliação de parâmetros e dos perfis de enquadramento no Bolsa Família. O balanço das análises deve ser concluído no mês de agosto.

“O que se espera é que quem não precisa realmente do auxílio saia e a fila ande. Com isso, pode-se trazer para a fila de espera as famílias que têm prioridade. Acredito que haverá um aumento de demanda por conta da crise econômica, que deixou o País em uma situação muito grave, com cerca de 13 milhões de desempregados. Então, nós precisamos fazer esse pente fino para proteger quem realmente precisa”, completou ministro.

Benefício reajustado

O Bolsa Família já está sendo pago com reajuste. Desde segunda-feira (18), o MDSA está transferindo às famílias mais de R$ 2,5 bilhões. O pagamento segue até o dia 29.

O decreto assinado pelo presidente em exercício Michel Temer aumenta a linha de extrema pobreza e pobreza, que passaram de R$ 77 para R$ 85 e de R$ 154 para R$ 170, respectivamente. O índice é superior aos 9% anunciados em maio e não concretizados pela gestão anterior e está acima da inflação dos últimos 12 meses.

Portal Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário