segunda-feira, 18 de julho de 2016

Interditada, Matriz de São José deteriora-se rapidamente no Recife

O restauro da construção, anunciado pela Fundarpe no ano passado, ainda não aconteceu



O processo de degradação da igreja se agravou em 2011, quando a Dircon interditou o espaço. Foto: Karina Morais/Esp DP

Construída no século 19, a Igreja Matriz de São José agoniza na Rua Imperial, Centro do Recife. O templo, interditado pela Diretoria de Controle Urbano (Dircon) há cinco anos, não abre mais suas portas para missas e batizados. O telhado corre risco de desabar e parte do teto do coro, na lateral direita, já caiu. O restauro da construção, anunciado pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) no ano passado, ainda não aconteceu por falta de propostas.

De acordo com o pároco José Augusto Esteves, apesar da construção ter problemas estruturais há anos, a igreja ainda não tem recursos para arcar com uma reforma. "Infelizmente, nem a paróquia nem a arquidiocese têm condições", lamentou.

Por causa da interdição, missas e batismos estão sendo celebrados na Igreja da Celestial Confraria da Santíssima Trindade, na Avenida Dantas Barreto, que também faz parte da Paróquia de São José. Segundo o padre, a paróquia deixou de realizar casamentos por causa da situação da matriz.

Fechado, o templo exibe sinais de que uma reforma se faz urgente. Em seu interior, o lodo se acumula por toda a lateral direita, área afetada pelo buraco no telhado, próximo ao altar. Em uma das naves laterais, há infiltrações no teto por causa do desabamento parcial. Alguns bancos que recebiam os fiéis tiveram estofados de joelhos removidos. Entre eles, é possível encontrar alguns escombros e restos de materiais de construção. As escadas que dão acesso ao coro e à torre do sino estão empoeiradas e com teias de aranha.

No coro da igreja, o piso de madeira está quebrado em vários trechos. Há imagens de santos deterioradas. Ainda no coro, restos do telhado, junto com folhas e galhos de árvores, se acumulam no chão.

O processo de degradação da igreja se agravou em 2011, quando a Dircon interditou o espaço. No ano passado, um protesto realizado por fiéis e outros defensores da restauração da igreja, que criaram um grupo chamado SOS Matriz de São José, pediu agilidade nas obras.

Estilo

Única igreja em estilo neoclássico do Centro do Recife, a Matriz de São José foi construída nos anos que se seguiram à inauguração da paróquia, em 1844. O templo ganhou restauro no século seguinte, quando a fachada recebeu mosaicos azuis e brancos, em semicírculo, de autoria do artista Francisco Brennand. A igreja não é tombada pelos órgãos oficiais estaduais e federais, mas faz parte de um perímetro urbano protegido.

Por: Carolina Sá Leitão - Diario de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário