sábado, 16 de julho de 2016

Museu Cais do Sertão tem calendário irregular de repasses. Empetur pagou hoje três meses de salários atrasados

Museu Cais do Sertão. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Museu Cais do Sertão. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

A Fundação Gilberto Freyre, que assumiu o museu Cais do Sertão em janeiro após o fim do contrato do governo estadual com o Instituto de Desenvolvimento Gerencial (IDG), Organização Social até então à frente da casa, enfrenta um calendário irregular no pagamento de salários. 

A Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur) informou ter pago nesta sexta (15) R$ 295 mil à Fundação, o equivalente a três meses de salários atrasados dos 32 funcionários no museu. A questão, contudo, é o “pra frente”: como outros fornecedores, a Fundação depende da disponibilidade de caixa do governo estadual. Por isso, a Empetur depende da disponibilidade geral de caixa do governo.
Entre o ano passado e este ano, o museu já havia passado por mudanças operacionais por causa do arrocho financeiro. Há um ano, em julho de 2015, mudou o horário de funcionamento para reduzir custos. No início de 2016, um problema no ar-condicionado dificultou até a manutenção do acervo.

Coordenador da Fundação Gilberto Freyre, Gilberto Freyre Neto evita criticar o governo estadual. Diz entender o quadro muito ruim da economia e o impacto no caixa do governo. Mas, por outro lado, afirma que o Cais do Sertão depende da regularidade no calendário de pagamentos do governo estadual para manter a folha de salários em dia.

“Infelizmente, a limitação financeira para a gente existe. Temos capacidade gerencial e técnica, mas a fundação depende do repasse dos recursos públicos. E, de fato, estamos vivendo essa situação [de 
A presidente da Empetur, Ana Paula Vilaça, confirmou à coluna o depósito dos recursos na conta da Fundação nesta sexta. “Na segunda, já começaremos a pagar os salários”, diz Gilberto.

Atualmente, contudo, o próprio governo não garante que novos atrasos não vão ocorrer. Dentro da Empetur, o museu é uma prioridade. Na prática, porém, a fila de fornecedores é a mesma na Secretaria da Fazenda para outros órgãos de governo.

Pinga Fogo - JC

Nenhum comentário:

Postar um comentário