sexta-feira, 1 de julho de 2016

O povo gosta do BRT pernambucano, mesmo incompleto e com sinais de degradação


Corredores de BRT Norte-Sul e Leste-Oeste tiveram aprovação por mais de 70% dos usuários. Fotos: Diego Nigro/JC Imagem
Corredores de BRT Norte-Sul e Leste-Oeste tiveram aprovação por mais de 70% dos usuários. Fotos: Diego Nigro/JC Imagem


Podemos dizer que o sistema BRT (Bus Rapid Transit) pernambucano é um sobrevivente. É forte e chegou para ficar. Mesmo operando incompleto há dois anos e estando presente em apenas dois corredores que, juntos, não representam nem 10% do sistema de transporte da Região Metropolitana do Recife, o BRT caiu no gosto do passageiro que o utiliza. Pesquisa do governo de Pernambuco comprova essa preferência. Num contexto geral, o modelo de transporte, copiado de Curitiba (PR) ainda em 2009, recebeu mais de 70% de aprovação numa avaliação de qualidade. A insegurança é o ponto fraco do sistema, sendo o único item que foi avaliado como péssimo.
A pesquisa foi realizada com 940 usuários dos dois corredores de BRT da RMR: Norte-Sul, ligando Igarassu ao Centro do Recife; e Leste-Oeste, que conecta o Centro da capital à cidade de Camaragibe. Vale esclarecer que o Estado fez a pesquisa porque ela é obrigatória. Está prevista nos contratos de concessão dos consórcios Conorte, que opera o Norte-Sul, e Mobibrasil, responsável pelo Leste-Oeste. Do péssimo ao excelente, o Via Livre – nome do BRT pernambucano – teve predominantemente uma avaliação boa. Recebeu esse conceito de 54,28% dos passageiros entrevistados. Quando somam-se os votos que representam aprovação (excelente, ótimo e bom), a avaliação do BRT vai para 70,76%.
O BRT respeita o passageiro. Concordo plenamente com o resultado da pesquisa. Gosto muito do sistema. É preciso apenas melhorar a segurança e controlar os ambulantes, que invadiram o sistema”,
Valéria Wanda de Assis, usuária do BRT
x

“Estamos muito satisfeitos com a pesquisa. Mostra que seguimos no caminho certo. Que o sistema não está como queríamos, que precisamos consolidá-lo, mas que há um ganho significativo para o usuário. É preciso considerar que o Via Livre teve aprovação em praticamente todos os itens avaliados. A exceção é a segurança, que já estamos enfrentando com o grupo especial criado em parceria com Secretaria de Defesa Social e o setor empresarial”, argumenta André Melibeu, diretor de operações do Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT).
Em geral, os usuários aprovaram 10 dos 11 itens avaliados no sistema (estação, conforto, condições de uso, acessibilidade, características dos ônibus, conforto, condução e urbanidade do motorista, operação do BRT e condições de uso do veículo). Houve notas ruins em alguns dos atributos avaliados, mas apenas a segurança pública interna e externa do Via Livre recebeu avaliação péssima de 29,15% dos entrevistados.
O BRT é bom, mesmo ainda incompleto e com problemas de segurança. Mas, na minha opinião, o que deveríamos ter mesmo, pelo menos onde hoje opera o Corredor Norte-Sul, era um metrô”,
Francisco de Assis, passageiro do BRT
y

E não é para menos. Basta lembrar que no sábado retrasado houve um arrastão no Corredor Norte-Sul, por volta das 9h. E os relatos de outras investidas têm se tornado comuns entre os passageiros. Na terça-feira, enquanto a reportagem conversava com usuários na estação Tacaruna, policiais civis surgiram à procura de supostos assaltantes, mas nada encontraram. E é o Norte-Sul que está mais vulnerável, como mostra a pesquisa. Foi o único corredor que recebeu um alto percentual de avaliação negativa sobre a segurança: 37,06% dos usuários entrevistados avaliaram como péssima. Já no Corredor Leste-Oeste, que registra bem menos ocorrências, a insegurança não pesou tanto: 27,42% dos passageiros a avaliaram como boa.

JC-CID0630_BRT_web




Sistema, entretanto, já está degradado
Sistema, entretanto, já está degradado

A pesquisa revelou, também, coisas curiosas. A educação dos motoristas foi uma delas. Definida por dois itens – urbanidade e condução pelo motorista –, ela foi bem avaliada pelos usuários nos dois corredores. De forma geral, o BRT conseguiu 60,53% de aprovação para a urbanidade dos condutores e 60,08% para a condução do veículo. Resultado completamente diferente do sistema convencional de transporte, no qual uma das principais queixas dos passageiros é a brutalidade de muitos motoristas, seja no trato com os usuários ou ao volante.
As estações de BRT também tiveram boa avaliação na pesquisa: no geral, 56,05% dos usuários as consideraram boas. Mas, a grande estrela do sistema é, sem dúvida, os ônibus BRT. Os critérios relacionados a eles foram os que tiveram as maiores aprovações: 61,78% dos entrevistados consideraram as condições de uso dos BRTs boas – nesse quesito pesou a limpeza e conservação dos coletivos – e 62,02% avaliaram também como bom o conforto proporcionado pelo veículo.

Os ambulantes são um dos principais problemas atuais do sistema
Os ambulantes são um dos principais problemas atuais do sistema

“Essa pesquisa nos norteia. Já estamos com um trabalho conjunto com a Prefeitura do Recife para diminuir a presença dos ambulantes nas estações do Centro Expandido, região que mais os atrai pelo movimento, e pretendemos realizar uma nova pesquisa para detalhar o quesito operação do BRT. Esse item nos interessa porque poderemos ver o impacto da espera nas estações e da ocupação da faixa exclusiva. Queremos melhorar cada vez mais”, diz André Melibeu.

VEJA A PESQUISA COMPLETA

De Olho no Trânsito - JC

Nenhum comentário:

Postar um comentário