quarta-feira, 6 de julho de 2016

Projetos ambientais serão desenvolvidos pela Compesa em Fernando de Noronha

Ricardo 1

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) e a Administração de Fernando de Noronha firmaram, nesta terça-feira (5), na Ilha,  um Termo de Cooperação Técnica para reativação do viveiro do arquipélago através da implantação do Projeto Florestar – Viveiros Educadores no território, desenvolvido pela companhia em outras cidades pernambucanas. Agora, passarão a ser produzidas  mudas nativas de espécies como gameleira, oitizeiro, quixabeira, dentre outras, com o apoio da companhia. Também  foi assinada a Ordem de Serviço para implementação do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) da Compesa, orçado em R$ 1,3 milhão, que irá nortear a política ambiental da empresa.

Na mesma ocasião, foi apresentado o projeto para a  implantação do Cinturão Verde para a Estação de Tratamento de Esgoto-ETE-Cachorro, quando foi  feito o plantio simbólico de mudas florestais na unidade. O cinturão verde, que integra o  novo projeto paisagístico da ETE, será formado em uma área de cerca de mil metros quadrados e composto  por espécies florestais arbóreas, como ipê branco, pitanguinha, pinhão branco e cajá, que serão plantadas no entorno da unidade operacional  de tratamento de esgoto sanitário. A finalidade é que o “paredão” verde minimize impactos ambientais decorrentes de maus odores que são exalados em decorrência do processo de tratamento biológico dos esgotos na ETE.

Através do Termo de Cooperação Técnica (TCT), a Compesa irá  apoiar a Administração da Ilha na reativação do seu viveiro de mudas florestais nativas. A empresa dará suporte às obras do viveiro, que deverá abastecer os projetos de reposição florestal e arborização urbana no arquipélago. Também vai realizar mais uma edição do Projeto Florestar – Viveiros Educadores que visa produzir um milhão de mudas em todo o estado de Pernambuco até o final de 2018. Dentre os ganhos proporcionados pelo projeto, estão a amenização da sensação térmica a partir do plantio de árvores nas praças, calçadas, jardins e quintais; a melhoria dos espaços públicos e do bem-estar das pessoas que os utilizam, atenuação da poluição do ar, além da  recuperação da flora.

O Projeto Florestar é uma parceria com os municípios que têm projetos da Compesa e visa tornar os espaços públicos mais verdes e capacitar estudantes de escolas públicas como viveiristas. “Assim como estamos fazendo em outras cidades do estado, vamos incluir a população nesse processo, a partir da formação dos estudantes em oficinas de trabalho com temáticas socioambientais. Para Noronha, a produção de mudas nativas representa um ganho ambiental incalculável, uma vez que, por ser uma ilha, há restrições para importar espécies florestais do continente”, explicou o diretor de Articulação e Meio Ambiente da Compesa, Aldo Santos.

Para o presidente em exercício da Compesa  presente ao evento, Ricardo Barretto, a empresa está consolidando sua nova visão ambiental ao implantar ações estruturadoras nessa área. Ele citou a criação de uma diretoria específica, de Articulação e Meio Ambiente, como prova do comprometimento da empresa com a questão. “Esta é uma nova fase da empresa, pois irá planejar e padronizar todas as suas ações ambientais no estado. É um passo importante e um legado para as gerações futuras”, declarou Barretto.

O diretor de Articulação e Meio Ambiente da Compesa, Aldo Santos, acrescentou que essas ações demonstram a preocupação da Compesa com a questão ambiental, que passou a ser uma prioridade da empresa. “O verde está norteando, hoje, todas as atividades da companhia e com essas iniciativas estaremos imprimindo um novo ritmo na área ambiental”, declarou Santos. Ele aposta que o  acordo de cooperação técnica assinado com a Administração de Fernando de Noronha vai permitir  um novo olhar, uma nova era  para questão ambiental do arquipélago. “Estamos confiante  no envolvimento dos alunos das escolas públicas, pois acreditamos que a  educação  é um caminho transformador para  mudanças e conscientização das pessoas”, enfatizou Aldo Santos.

O  representante da Administração de Fernando de Noronha no evento, o diretor Financeiro Rodrigo Valença, parabenizou a Compesa pelo trabalho desenvolvido na ilha. “Consideramos de suma importância as ações  que estão sendo implantadas. A administração está à disposição não só para este projeto, mas para outros que visem sempre à preservação do meio ambiente e o fomento de informação e de qualificação dos  noronhenses”, afirmou.  O chefe do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em Noronha, Felipe Mendonça, afirmou ter recebido com entusiasmo a iniciativa da Compesa. “Estamos certo que a Compesa vai contribuir para a qualificação do saneamento no arquipélago, a preservação ambiental e o bem-estar dos ilhéus”, comentou. Também participaram do evento o diretor Regional Metropolitano da Compesa, Fernando Lôbo e da equipe  técnica da área ambiental da companhia e  de representantes ambientais e educacionais do arquipélago.

Sistema de Gestão Ambiental  da Compesa
O Sistema de Gestão Ambiental (SGA) da Compesa é  um instrumento corporativo para definir normas e procedimentos para gestão socioambiental das unidades operacionais de tratamento de água e esgotos administrados pela Compesa. A empresa responsável pela elaboração do SGA da Compesa será a RS 2 Consultoria, vencedora do certame de licitação patrocinado pelo Programa de Saneamento Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Ipojuca (PSA Ipojuca). Também está prevista, no escopo do contrato, a proposta de Certificação Ambiental ISO 14001 para as unidades operacionais de tratamento de água e esgoto e edifício sede da Compesa, no Recife. A ISO 14001 dispõe as diretrizes básicas de um sistema de gestão ambiental e demonstra o comprometimento das empresas com as práticas sustentáveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário