quinta-feira, 7 de julho de 2016

Renault vai exportar via Suape

Montadora está em tratativa com o Estado, que revisou as tarifas portuárias para o porto ficar mais atraente



Divulgação
Com o acordo, ancoradouro vai receber os veículos das fábricas do Paraná e Argentina

Depois da Fiat, General Motors e da Toyota, o Pátio de Veículos do Porto de Suape pode se tornar a base exportadora dos veículos da Renault. A empresa está em tratativas com o Estado para direcionar a operação ao ancoradouro pernambucano.

A mudança de estratégia da montadora francesa - que atualmente mantém uma fábrica em Curitiba, a 80 quilômetros do porto de Paranaguá - se justificaria, principalmente, em razão das tarifas mais baixas oferecidas em Suape. “Suape tem atualmente a menor tarifa entre os grandes portos. Fizemos uma redução este ano, de forma a nos tornarmos a opção mais atrativa para exportações de veículos no Brasil”, detalhou o coordenador da Administração Tributária da Sefaz-PE, Bernardo D’Almeida.

“As exportações são a porta de saída da crise”, ponderou o secretário da Fazenda do Estado, Marcelo Barros, durante encontro com a imprensa, ontem. Quando somada à composição das tarifas (taxas portuárias mais as pagas por cada veículo), em Suape, o custo é de, na média, R$ 21 por veículo nos primeiros dez dias de permanência no pátio.

Caso o acordo seja celebrado, Suape se beneficia com os carros da Renault oriundos da fábrica de São José dos Pinhais (PR), vindos através de caminhões cegonha, bem como dos modelos produzidos na planta fabril da Argentina, que chegariam por navio. Daqui, esses caminhões partem do com os carros produzidos na Argentina para abastecer o Sul e Sudeste e as unidades made in Brasil são distribuídas para outros destinos via exportação. 

Os navios seriam os mesmo utilizados para transportar os veículos da FCA - Fiat Chrysler Automobiles para a Argentina.  A Renault foi procurada, mas não respondeu os questionamentos da reportagem até o fechamento desta edição.

Com a redução nas tarifas, o governo espera tornar o porto pernambucano o quarto maior em movimentação de veículos, ainda este ano. Em 2015, a movimentação no segmento cresceu 246,25%, em relação a 2014, muito ligada à presença da fábrica da Jeep, em Goiana, o Centro de Distribuição da Toyota e a fábrica da Shineray.

Além das tarifas atrativas, a infraestrutura e localização do porto também são favoráveis. No ano passado, a expansão do Pátio de Veículos foi concluída, ampliando a área de 3,7 para 18,7 hectares (que poderão chegar a 23,7) com capacidade de movimentar 250 mil veículos ao ano.

Mariama Correia, da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário